terça-feira, 22 de maio de 2018

Foto Marcinha Ferreira


Comunidade bombinense festeja a 3ª edição da Festa do Divino Espírito Santo em grande estilo e emoção.


Foto Marcinha Ferreira
A Comunidade bombinense celebrou, de 18 a 21 de maio, a III Festa do Divino Espírito Santo, encabeçada pela Comunidade de Nossa Senhora dos Navegantes, com a participação das demais seis comunidades que compõem a Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Foram quatro dias de muito louvor, devoção, emoção e manutenção da tradição, reiterando a religiosidade como uma das maiores heranças culturais luso-brasileira.

Foto Marcinha Ferreira
O festejo iniciou na sexta-feira, 18, com o desfile do Cortejo Luminoso seguido de missa, e no sábado foi realizada a missa de Chegada das sete Bandeiras do Divino Espírito Santo de Bombinhas, que retornaram com a missão cumprida de visitação de casa em casa, nos 50 dias de caminhada.


Foto Marcinha Ferreira
O dia de Pentecostes, 20 de maio, iluminado por um sol radiante, proporcionou um lindo desfile do Cortejo Imperial prestigiado pelo prefeito Paulo Henrique Dalago Müller que conduziu a Bandeira do Município. A emoção era visível tanto nos adolescentes e crianças do Cortejo, como também em seus pais, familiares, amigos e as Comitivas do Divino, sem falar na comunidade em geral que orgulhosa não perdia um único detalhe do desfile.

O pároco local, Padre Silvano de Oliveira, falou da devoção do povo bombinense e sua dedicação na realização da festa, mas ressalta que é necessário ser Pentecostes todos os dias do ano. “Mesmo a pessoa sendo de uma cultura totalmente diferente da nossa, se ela agir conforme o pedido do Espírito Santo, da Santíssima Trindade, ou seja, se aquela pessoa estiver vivendo o amor, nós entenderemos sua mensagem e até a língua dela”.

Foto Marcinha Ferreira
Após a celebração foi servido almoço no salão paroquial. Em seguida a comunidade se deliciou com uma domingueira, pra lá de animada. Na segunda-feira, 21, aconteceu a missa de Ação de Graças e apresentação do casal imperial de 2019 Rafaela Renata Mafra e Nícolas Almeida da Silva, que foram escolhidos por meio de sorteio realizado durante o almoço de domingo. Os dois jovens foram vestidos com os mantos e seus pais receberam a coroa e o cetro. Logo após, foi servido um jantar de confraternização, onde o significado da partilha no total sentido da semântica foi concretizado, pois o Pentecostes, a Festa do Divino Espírito Santo é justamente uma grande partilha de fé, emoção, devoção, união e gratidão.

Comovidos, os pais de Arthur e Laís, casal imperial deste ano, Giliard Altair Pinheiro e Carolina Pinheiro Frota e Cleice Pinheiro não esconderam ser este um dos grandes momentos inesquecíveis de suas vidas: “Foi maravilhoso! Tudo que nós fizemos foi com muito carinho e dedicação perante a sociedade, junto com a nossa comunidade. E nós só temos a agradecer o Divino Espírito Santo no nosso corpo e nas nossas famílias, porque trabalhamos não pra nós, mas pra Ele. E trabalhar pra quem a gente não vê é esplêndido”, ressalta Cleice Pinheiro.


Foto Marcinha Ferreira

segunda-feira, 21 de maio de 2018


Foto Marcinha Ferreira




Diversas atividades com o patrimônio cultural em debate, marca Semana de Museus em Bombinhas.


Entre os dias 14 a 18 de maio foi realizado em Bombinhas a primeira Semana de Museus  concretizada pela Fundação Municipal de Cultura. A programação iniciou na segunda-feira, 14 de maio, com a vivência “É dia de engenho”, uma encenação realizada pelos alunos do 1º ano da EBM Dona Dilma Mafra, da aula de artes com a professora Fernanda Nadir da Silva, e a participação de Nadir Tomázia da Silva, Marília Dias e Tábata Torres.



Foto Marcinha Ferreira
No dia 17, quarta-feira, iniciou o Seminário de Patrimônio Cultural com as presenças dos alunos do 2º Ensino Médio integrado de Ensino Profissionalizante - EMIEP, da EEB Maria Rita Flor, acompanhados pelos professores Walter Sales e Yuri Gonçalves e os coordenadores Maria José Mafra e Fabiano Quito, comunidade em geral, agentes e conselheiros de cultura e a participação, mais que especial, da “engenheira” Mestra Rosa Dias. Pela manhã o professor Dr. Jorge Braun Neto palestrou sobre o tema “O bem que entrelaça gerações: patrimônio cultural imaterial e relacionalidade a partir da economia civil”, que apresentou de uma maneira bem didática conceitos de patrimônio imaterial, como identificar e sua relação econômica. “A economia é uma ciência da realidade, portanto, busca entender como é a nossa realidade social. Trazer esse assunto pra discussão citando exemplos típicos locais dentro do patrimônio cultural, mostra que existe uma capacidade de relações sociais com os pais, avós, a importância disso e o sentimento que se cria, tudo isso conta para pensarmos uma economia mais ampla baseada em relações e não somente em troca, que é a economia embasada em dinheiro”, ressalta o professor Dr. Jorge.

Em seguida a equipe do Centro de Estudos e Promoção da Agricultura em Grupo – Cepagro, de Florianópolis, formada pelas profissionais: a agrônoma karina de Lorenzi, a jornalista Ana Carolina Dionísio, a estagiária de comunicação Clara Comandolli, a Coordenadora do Ponto de Cultura historiadora Gabriella Pieroni, a educadora de campo Giseli Mioto e a economista Manuela Braganholo, fez uma fala sobre Inventário Participativo.

A coordenadora Maria José Mafra da EEB Maria Rita Flor, explica a importância do seminário para os alunos do EMIEP: "é de extrema importância está vivência, pois os alunos ficam encantado diretamente com a nossa cultura, aprendem cada vez mais a valorização das nossas raízes. As palestras e o local teve o seu objetivo alcançado que foi transmitir o conhecimento do patrimônio cultural, com o adicional do local proporcionar essa vivência maravilhosa".

Foto Marcinha Ferreira
No período vespertino foi realizada a oficina sobre o Inventário Participativo. O intuito é fazer a recolha de material referente aos 12 engenhos existentes em Bombinhas, juntá-los a outros municípios catarinenses para efetuar junto ao Iphan o Registro como Patrimônio Cultural Imaterial, processo que será executado a muitas mãos.

Na sexta-feira, 18 de maio, para encerrar o Seminário foi exibido o documentário “Cultura de Engenho”  e o documentário institucional sobre o Engenho do Miminho. O Seminário de Patrimônio Cultural contou com o apoio da Padaria e Restaurante Beira Mar e do Instituto BoiMamão.

sexta-feira, 18 de maio de 2018



Foto Cacá Pinheiro



Logo da ALBSC seccional Bombinhas, Mestre Atílio Antão tem os traços do designer Ricardo Paschoal Dalri.


No final da tarde de terça-feira, 15 de maio, a Academia de Letras do Brasil de Santa Catarina, seccional de Bombinhas, Mestre Atílio Antão, realizou a solenidade de premiação do concurso de sua logomarca na Câmara de Vereadores.

A logo, de traços nobres e grande valor artística, traz linhas brancas com o fundo azul que faz viajar e vislumbrar um livro folheado, os traços de uma vela ao mar, o sol do litoral, e mais vários ícones da literatura e da identidade cultural local. Foi apresentada ao público na solenidade e é obra de Ricardo Paschoal Dalri, que recebeu além de um certificado de honra ao mérito, uma caderneta de poupança ofertada pelo Sicredi. Ainda, os demais participantes do concurso receberam certificados de honra ao mérito.

A escritora Marcinha – Márcia Cristina Ferreira, presidente da instituição e também da Microrregional Itajaí, ressalta a importância de celebrar a logo da Academia. “A logo é nossa identidade, é como seremos conhecidos e festejamos mais essa conquista”, Marcinha também destaca a forma como foi instituída a logomarca: “o fato de termos realizado a seleção por meio de um concurso, através de edital público, torna extremamente democrática e especial essa escolha e isso nos deixa ainda mais felizes, pois oportunizamos a participação de vários artistas”.

A ocasião brindou o público presente com a apresentação artística do Coral Infantojuvenil EnCanto, da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, sob a regência da professora Anna Lehm, acompanhados ao piano pela professora Maria José Delgado.

O próximo passo da Academia de Letras do Brasil de Santa Catarina, seccional de Bombinhas, Mestre Atílio Antão é concluir o processo de constituição jurídica.

Foto Cacá Pinheiro


quarta-feira, 16 de maio de 2018


Foto Marcinha Ferreira



Quinteto Jaraguá proporciona noite de gala em Bombinhas.

Foto Marcinha Ferreira
O Quinteto Jaraguá proporcionou a Bombinhas uma verdadeira noite de Gala no sábado, 5 de maio, com um Concerto no auditório Dona Dinha – Alair Maria Stapait, da EEB Maria Rita Flor. Durante o dia o grupo repassou seus conhecimentos em cinco oficinas de sopro para os instrumentistas locais, que puderam tirar dúvidas e ampliar seu aprendizado tanto nos instrumento de metais, quanto de madeira. Márcio Pedro da Silva toca eufônio ou bombardino, é integrante da Banda Municipal de Bombinhas, e resume o sentimento dos participantes: “num curto espaço de tempo, foi-nos passado várias técnicas de aperfeiçoamento para poder executar melhor o instrumento, além de conhecimentos diversos no ramo do sopro. Poderia acontecer esses eventos mais vezes em nossa cidade. Muito aproveitável!”

No período da noite a emoção tomou conta dos presentes que puderam viajar no belo repertório, composto pelos compositores consagrados Amaral Vieira, Waldir Azevedo, Villa Lobos, Pixinguinha e Raphael Baptista. A plateia ainda seleta, pelo próprio gosto pessoal, se deleitou numa noite rara, já que não é todo dia que Bombinhas recebe música clássica, ainda mais de câmara. Alfredo Coelho é músico e tem um projeto especial sobre choro, além da alma que transborda esse estilo musical, estava na plateia com a esposa e três dos quatro filhos, dois deles ainda muito pequenos mas concentrados o tempo todo na apresentação, ele comenta a riqueza do repertório apresentado. Sou muito grato por todo este momento que passa Bombinhas, em que o choro começ a a fazer parte da arte local.  As crianças emocionadas ouvindo Pixinguinha, Waldir Azevedo e os demais. Tá ai a esperança de um mundo melhor. Ouvir sobre o choro como o maior de nossas artes e nos presentear com o choro n.2 ‘As bachianas’ do nosso grandioso Villa Lobos, o Quinteto Jaraguá são grandes músicos com uma proposta linda trazendo nossa música para nosso povo. Viva a música brasileira”.

O escritor Luciano Teixeira também assistiu com a filha Kamilly de oito anos, e confessa-se emocionado: “Foi uma noite fascinante. A suavidade das canções juntamente a simpatia do grupo tornou o evento muito agradável. Minha filha e eu adoramos”.

Fabrício Ribeiro é o flautista do quinteto e explica que o workshops são uma forma de difundir e fomentar a educação musical e que a formação quinteto, assim com as demais, não é aleatória, pois foram desenvolvidas ao longo da história. “A nossa formação é muito tradicional na história da música, é mais recente, do período clássico e principalmente no século XX teve seu apogeu, tanto nas composições, quanto pelos instrumentos que foram desenvolvidos, como a flauta”, ainda, destaca que ficou muito feliz com o retorno bombinense tanto pela organização, quanto pela presença do público. Além de Fabrício integra o Quinteto Jaraguá os músicos: Jonatas Costa na trompa, Joel Henqueimaier no fagote, Jacson Vieira no clarinete e Francisco De Holanda no oboé.

O Quinteto Jaraguá realiza 10 espetáculos no Estado e Bombinhas foi umas das cidades eleita para receber uma das exibições. Tem o patrocínio do Edital Elisabete Anderle 2017, FUNCULTURAL, Fundação catarinense de Cultura e Governo de Santa Catarina, e para apresentação contou com o apoio da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas e da Escola de Educação Básica Maria Rita Flor.

Foto Marcinha Ferreira





Com a abertura do edital de Culturas Populares Ministério da Cultura realiza oficina de capacitação no sábado, dia 26 de maio.

Acontece no dia 26 de maio uma oficina para apresentar o Edital de Culturas Populares - Edição Selma do Coco, do Ministério da Cultura – Minc, às 14 horas, no Espaço Cultural Engenho do Miminho. Além de fazer a apresentação do edital, o técnico de nível superior, Alexandre Gouveia Martins, orientará os proponentes para o processo de inscrição. A oficina ainda visa a qualificação e adequação das propostas apresentadas.

Este ano a 6ª edição do Prêmio Culturas Populares destina R$ 10 milhões a 500 iniciativas culturais de mestres, mestras, grupos e instituições privadas sem fins lucrativos, e tem um diferencial com a inserção de reconhecimento de ações em acessibilidade cultural. Cada um dos vencedores receberá 20 mil reais, o dobro do ano de 2017. As inscrições podem ser feitas de 30 de abril até 13 de junho, pela internet ou via postal.
São 200 prêmios para iniciativas de mestres e mestras (pessoa física); 180 para iniciativas de Grupos sem CNPJ; 70 para pessoas jurídicas sem fins lucrativos; 30 para pessoas jurídicas com ações comprovadas em acessibilidade cultural; e 20 para herdeiros de mestres e mestras já falecidos (in memoriam).

A premiação havia ficado suspensa desde 2012 e foi retomada no ano passado, quando obteve número recorde de premiados (500) e de inscritos (2.862). A oficina não tem custo e também não é necessário fazer inscrição, é realizada com o apoio da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas.

O quê: Oficina do Edital de Culturas Populares – Edição Selma do Coco
Ministrante: Alexandre Gouveia Martins, técnico de nível superior
Quando: 26 de maio, sábado, às 14 horas
Onde: Espaço Cultural Engenho do Miminho, final da rua Hiena, s/nº, José Amândio
Realização: Ministério da Cultura
Apoio: Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas
Não precisa fazer inscrição, não te custo
Informações: sede administrativa da FMC (47) 3264-7478


segunda-feira, 14 de maio de 2018



A Academia de Letras do Brasil Santa Catarina, seccional de Bombinhas, Mestre Atílio Antão, convida para a solenidade de premiação do concurso de sua logomarca, realizado em 2017. Na ocasião os participantes serão agraciados com o certificado de honra ao mérito e o vencedor receberá além de seu certificado uma caderneta de poupança no valor de R$ 300,00 oferecida pelo Sicredi.

Trata-se da primeira sessão pública da ALBSC Mestre Atílio Antão, que convida a todos para prestigiarem esse momento singular da instituição.


O quê: Solenidade de premiação do concurso da logomarca da ALBSC, seccional Bombinhas, Mestre Atílio Antão
Quando: 15 de maio, terça-feira, às 17h30
Onde: Câmara de Vereadores de Bombinhas, rua Baleia Jubarte, 344, José Amândio
Realização: Academia de Letras do Brasil Santa Catarina, seccional de Bombinhas, Mestre Atílio Antão
Apoio: Sicredi e Câmara de Vereadores de Bombinhas






Bombinhas se articula e realiza Semana de Museus com atividades sobre o Patrimônio Cultural.

Acontece entre os dias 14 a 19 de maio, a Semana de Museus no Espaço Cultural “Engenho do Miminho”, em alusão a comemoração realizada no território nacional. A programação bombinense, executada pela Fundação Municipal de Cultura, começa na segunda-feira com a Abertura da Semana às 14 horas, onde haverá uma encenação teatral e a atividade “É dia de engenho” com direito a feitio de beijú e outras delícias. No dia 17 tem o seminário de Patrimônio Cultural com um dia inteiro de aprendizado e discussão e, fechando a Semana, no dia 18, sexta-feira, às 14 horas a equipe da Cepagro fará a exibição do documentário “Cultura de Engenho”,com o objetivo de sensibilizar à comunidade bombinense para a campanha #engenhoépatrimônio, empreendida pela Rede Catarinense de Engenhos de Farinha. A campanha tem o intuito de mobilizar as comunidades para o reconhecimento dos Engenhos de Farinha como patrimônio cultural e a participação dos “engenheiros” locais, no processo participativo de elaboração de uma proposta de registro das práticas culturais associadas a estes Engenhos de Farinha, como Patrimônio Cultural do Brasil dentro da Política de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial do Iphan.

Para participar não precisa fazer inscrição, basta chegar e aproveitar o espaço de conhecimento e debate. Informações: (47) 3264-7478.



O quê: Semana Nacional de Museus
Quando: de 14 a 19 de maio
Onde: Espaço Cultural Engenho do Miminho, rua Hiena, s/n, José Amândio

Programação:
Dia 14, segunda-feira – Abertura da Semana, 14 horas
Dia 17, quinta-feira, das 9 às 17 horas – Seminário de Patrimônio Cultural
9 horas: Abertura
9h30: Palestra com o professor Dr. Jorge Braun Neto
10h30: Oficina sobre “Inventário Participativo”, Rede de Engenhos, equipe Cepagro
12h00: Intervalo
13h30: Continuação da oficina
17h00: Apresentação do conteúdo das oficinas
18 horas: Encerramento
Dia 18, sexta-feira, às 14 horas – Exibição do documentário “Cultura de Engenho”, pela equipe da Cepagro com o objetivo de sensibilizar à comunidade bombinense para a campanha #engenhoépatrimônio


Adicionar legenda


Comunidade bombinense prepara grandiosa celebração em devoção ao Divino Espírito Santo.




Entre os dias 18 e 21 de maio acontece em Bombinhas a III Festa do Divino Espírito Santo, na Comunidade de Nossa Senhora dos Navegantes, Centro. São quatro dias intensos de uma rica programação, que inicia na sexta-feira com desfile luminoso do Cortejo Imperial, segue no sábado com a chegada das Bandeiras do Divino Espírito Santo das sete comunidades locais. No domingo, 20 de maio, o grande dia de Pentecostes, o festejo inicia às 9h30, na Capela de Nossa Senhora da Imaculada Conceição (igrejinha do morro do cemitério), com o desfile do Cortejo Imperial, que segue pela Av. Vereador Manoel José dos Santos, até a igreja de Nossa Senhora dos Navegantes, onde será realizada Santa Missa. Em seguida será servido almoço no salão 
paroquial.

Na segunda-feira, 21de maio, às 19 horas o Cortejo Imperial faz seu último desfile em direção à igreja, onde será realizada Missa de Ação de Graças e apresentação do Casal Imperial de 2019.

A visitação da Bandeira do Divino Espírito Santo iniciou em Bombinhas no ano de 2015 em todas as comunidades, e no ano seguinte foi realizada a primeira festa na comunidade do Centro, Nossa Senhora dos Navegantes, que aguarda a participação de todos neste festejo que celebra a partilha e a devoção ao Divino Espírito Santo.

O quê: III Festa do Divino Espírito Santo de Bombinhas
Onde: Capela de Nossa Senhora dos Navegantes, Av. Vereador Manoel José dos Santos esquina com a rua Pescada Branca, Centro, Bombinhas/SC
Quando: de 18 a 21 de maio (sexta-feira, sábado, domingo e segunda-feira).
Realização: Comunidade de Nossa Senhora dos Navegantes/ Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Apoio: Prefeitura de Bombinhas

Programação:
Sexta-feira, 18 de maio
19h00: Saída do Cortejo Imperial Luminoso da casa do Imperador (rua Pescada Portuguesa, 84) até a Capela de Nossa Senhora do Navegantes.
19h30: Santa Missa
Sábado, 19 de maio
19h30: Santa Missa da Chegada das Bandeiras do Divino Espírito Santo
Domingo, 20 de maio
9h30: Desfile do Cortejo Imperial, saída da Capela de Nossa Senhora da Imaculada Conceição (igrejinha do morro do cemitério)
10h30 Santa Missa
12h00 Almoço no Salão Paroquial
Segunda-feira, 21 de maio
19h00: Saída do Cortejo Imperial da casa da Imperatriz (Avenida das Garoupas, 324,
Residencial Mari)
19h30: Missa de Ação de Graças e apresentação do Casal Imperial 2019



Foto Carol Miguel


Três municípios e uma microrregião recebem reconhecimento por inciativas de sucesso, no VIII Fórum Catarinense de Gestores Municipais de Cultura.

Foi encerrado no final da manhã desta sexta-feira, 11 de maio, o VIII Fórum Catarinense de Gestores Municipais de Cultura, realizado na cidade de Bombinhas pela Federação dos Municípios de Santa Catarina – Fecam, Conselho de Gestores Municipais de Cultura de Santa Catarina – Congesc, e Prefeitura de Bombinhas, entre os dias 9 e 11 de maio com participação recorde de 203 servidores envolvidos na gestão cultural, de 114 municípios diferentes, que a princípio seria um número ainda maior devido as inscrições feitas, mas, ainda assim, superou as demais edições.

O segundo dia, como já é da dinâmica do acontecimento, foi marcado pelas oficinas que este ano foram ministradas pelos profissionais renomados: Roselaine Vinhas que explanou sobre “Sistema Municipal de Cultura”, Gizelle Freitas com o tema “Biblioteca Pública”, Helena Kuerten de Salles que falou sobre “Elaboração de metas para o Plano Municipal de Cultura” e Vanessa Maria Pereira que abordou o tema “Legislação de Patrimônio”. Em todas as oficinas o sentimento de aprendizado dos participantes foi unânime.

J
Foto Carol Miguel
á o período noturno reservou muita emoção com a entrega do Prêmio de Boas Práticas Culturais, além de dar visibilidade a ações de sucesso dos municípios. O Prêmio de Colegiado de Cultura ficou com a Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí – AMMVI, o de municípios até 5 mil habitantes foi para a cidade de Formosa do Sul. Como não houve participantes na categoria de 5 mil a 20 mil habitantes, o Comitê Gestor do Congesc decidiu premiar duas ações exitosas de municípios com mais de 20 mil habitantes, sendo o segundo melhor município, São Francisco do Sul, e o grande vencedor da categoria a cidade de Itajaí.

O gestor da Fundação Cultural de Itajaí, Nomélio Pedro Weber, ressalta o compromisso com a comunidade do projeto agraciado. “É uma enorme honra. Mas entendo que é, acima de tudo, o reconhecimento de um modelo de programa que valoriza o setor da cultura, é o compromisso dela com a geração de oportunidades e da sua transversalidade com o social, a segurança e a economia criativa”, a cidade recebeu o prêmio pelo projeto “Oficinas de artes”. Daiane Frigo, ex-gestora de cultura de Formosa do Sul, ressalta o trabalho em prol da comunidade e seus reflexos: “nossa satisfação é muito grande porque além de ter mobilizado a cultura no município, esta experiência pode ser compartilhada e contribui para potencializar a cultura nos demais municípios”, Formosa do Sul foi premiada pelo projeto “Estruturação da gestão cultural”.

São Francisco do Sul foi premiado pelo projeto “Educação patrimonial” e AMMVI pelo projeto “Relatório de atividades histórico do Colegiado”. Ainda, Roselaine Vinhas, ex-gestora de cultura de Chapecó, ex-presidente do Congesc e do Conselho Estadual de Cultura, recebeu uma homenagem pela sua dedicação e empenho em prol da cultura no Estado de Santa Catarina.

Foto Carol Miguel
Na manhã de sexta-feira os projetos foram apresentados a plenária logo após a defesa dos três municípios candidatos a sediar o Fórum no próximo ano. Em seguida o Comitê Gestor do Congesc apresentou a minuta da “Carta de Bombinhas” a qual teve os acréscimos e supressões indicadas pela assembleia, que reafirmou e deliberou a necessidade de ações conjuntas de alinhamento das políticas públicas de Cultura nos âmbitos Federal, Estadual e Municipal.

A gestora da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, Nívea Maria da Silva Bücker, também presidente do Congesc, comenta o contentamento de ser anfitrião e a produtividade do acontecimento: “como gestora bombinense foi muito satisfatório porque mostramos como somos acolhedores, hospitaleiros e ter esse retorno do público nos deixa muito feliz. Em nome do Congesc, o Fórum foi extremamente positivo, foi recorde de público, todos os debates e palestras de muita qualidade, e o mais importante é proporcionar o intercâmbio e a interação entre os participantes”.

Para encerrar os trabalhos, foi anunciada a cidade de Garopaba como anfitriã do IX Fórum Catarinense de Gestores de Cultura, que concorreu com os municípios de Concórdia e Blumenau. Marcus Israel, diretor de cultura garopabense, enfatiza a importância de receber o Fórum em 2019: “estamos muito felizes, sabemos a importância disso para o nosso Colegiado recém-criado e sensibilizará os prefeitos da região para essa bandeira da cultura. Além disso, com esse evento fomentamos o turismo e a economia numa época de sazonalidade”, conclui Marcus Israel.

Foto Carol Miguel


segunda-feira, 7 de maio de 2018

Foto Marcinha Ferreira



10ª edição da Missa de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha exalta o pescador e marca encontro de gerações na praia.


Neste domingo, 6 de maio, foi realizada a Missa de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha de 2018, na praia de Bombas. A missa presidida pelo pároco bombinense, Padre Silvano de Oliveira, além de festejar o início da temporada de tainhas, iniciada no dia primeiro de maio e segue até 31 de julho, pedir a abundância dos cercos e lanços, abençoar comunidade pesqueira e embarcações presentes, demonstra todo o significado desta tradição para a população em geral. Ainda, propiciou na praia um encontro de gerações. Octogenários e até nonagenários misturados a quem incia a vida. Jovens e adolescentes, pescadores de todas as gerações e seus familiares, autoridades do executivo e do legislativo, população em geral e visitantes, todos num único intuito: glorificar a pesca.

Este ano, uma vez mais, o caíco “Anjo Rafael” serviu de altar onde os paramentos litúrgicos, objetos e alimentos foram ofertados, diante de, aproximadamente, 500 pessoas que participaram deste momento de fé, esperança, tradição e confraternização.

Foto Marcinha Ferreira
Em sua décima edição, a missa de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha tem um dos momentos mais significativos a passagem da rede de pesca sobre as cabeças das pessoas, conduzida pelos pescadores e puxada por Nossa Senhora, onde todos os presentes podem tocar e carrear por um instante a rede, numa simbologia muito única de partilha sobre a pesca artesanal ser feita a muitas mãos. Uma diferencial dessa edição foi a bênção conjunta sobre o mar direcionada por padre Silvano, onde todos estenderam as mãos e pediram a abundância de lanços e cercos para este ano, bem como a proteção a todos os pescadores. Padre Silvano Oliveira também abençoou as canoas que estavam perfiladas na praia.

Ao final, foi servido o já tradicional café típico, uma partilha composta por coruja (rosca de massa), pudim de folha, beiju, café, Consertada e outras delicias da mesa bombinense, que teve seu feitio pelas matronas da comunidade de Bombas, que trabalharam de forma intensa durante três dias.

Foto Marcinha Ferreira
A missa de abertura da Pesca da Tainha é organizada por uma comissão e oferece desde a primeira celebração, em 2008, o café de confraternização, e conta com o apoio da Prefeitura de Bombinhas, através da Fundação Municipal de Cultura. José Olímpio Filho, o Mestre Zequinha, integrante dessa comissão organizadora explica que a comunidade além de participar da celebração, também colabora com o café através do livro outro: “A comunidade em geral é muito presente e colaboradora, este ano não pedimos apoio pra fazer o café e mesmo assim muita gente nos procurou e ofereceu. Até o próprio dia ajudou, uma coisa maravilhosa. Só faltou mesmo o cerco, mas ele vem nos próximos dias”, acentua mestre Zequinha.


Foto Marcinha Ferreira