quarta-feira, 2 de janeiro de 2019




Cia Sandra Baron inicia temporada 2019 do projeto Teatro Bom Demais em 5 janeiro, repleto de atrações.


No dia 5 de janeiro inicia o projeto Teatro Bom Demais edição 2019, com programação que se estende até 30 de março. Esta edição conta com com apresentações teatrais e circenses, à la gorra, todos os sábados às 22 horas em nove locais diferenciados, sendo: Feira de Artes e Artesanato na rua Parati, quadra da Praia, Centro, no Centro de Atendimento ao Turista – Cat na Av. Leopoldo Zarling, 2072 em Bombas, na Praça Vista das Galés no bairro Canto Grande, na Feira de Artes e Artesanato na rua Gaturamo (continuação da Av. Falcão) em Bombas, na Praça Mirante das Ilhas em Quatro Ilhas, na Praça Morro do Céu no bairro de Zimbros, na Praça do Pescador em Morrinhos, na Av. Água Marinha no bairro Mariscal e na Praça da Cultura Popular no Centro.

São 13 apresentações teatrais de rua com o objetivo de propiciar à comunidade local e aos visitantes atrações diferenciadas. Além do repertório da Cia Sandra Baron, duas companhias internacionais, Gina Circus da Argentina e Marionetas MicroBio do Uruguai, integram a programação.

O Teatro Bom Demais é realizado pela Cia Sandra Baron com apoio da Prefeitura de Bombinhas e patrocínio do empresariado local.


TEATRO DE LAMBE-LAMBE – Coletivo Bombinhas e convidados
O teatro de objetos ou bonecos em miniatura acontece dentro de uma caixa ou modo similar de dimensões reduzidas. Neste espaço são apresentados espetáculos teatrais de curta duração para, em geral, um espectador por vez. Essa linguagem foi criada no Brasil na década de 80 pelas baianas Denise Santos e Ismine Lima e é presente em diversos festivais pelo mundo.




EL VIAJE DE GINA – Cia Gina Circus, Argentina
É um espetáculo poético de humor, onde se utilizam técnicas de malabares, bolhas gigantes, bonecos, ilusionismo e acrobacias.







CALLEJEROS – Cia Marionetas MicroBio, Uruguai
Busca ressignificar o espaço público, através da cena improvisada, da magia inesperada, do encontro de pessoas, gerando uma oportunidade única de transformar cada qual sua própria realidade, nem que seja por um momento, é o que move os personagens do espetáculo, no intuito de amenizar a atual crise de sensibilidade.





ANA CIGANA – Cia Sandra Baron
Ana é uma cigana que encanta e veste uma saia imensa, cheia de bolsinhos. Traz consigo cantorias, danças, interação com o público, uma mala e diz que gosta muito de viajar. Por onde passa aprende músicas e histórias que guarda em seus bolsos. Num jogo entre curiosidade e descoberta, a personagem vai tirando uma história ou uma canção dos bolsos da saia e narra esses contos da tradição oral, cantando e dançando músicas do folclore brasileiro de forma lúdica, performática e interativa.


CONTOS DA ILHA DA MAGIA – Cia Sandra Baron
A cultura e o folclore do litoral catarinense contados através do embate fantástico entre bruxas e benzedeiras. O universo bruxólico catarinense e a importância das benzedeiras bastante presentes nas cidades litorâneas de colonização açoriana, ganham vida neste espetáculo, que foi um dos selecionados pelo MinC para representar a cultura Catarinense nas cidades-sede do Mundial de 2014.




PALHAÇA VERMELHA NO DIA DO PÉ ESQUERDO – Cia Sandra Baron
O espetáculo mostra as situações tragicômicas do dia a dia da mulher, e encanta a plateia com reviravoltas e situações surreais e criativas, bem próprios do universo palhaço. Uma aventura inusitada com uma deliciosa surpresa no final.





MARÉ DE HISTÓRIAS – Cia Sandra Baron
Contos e encantamentos que atravessam gerações, estão neste espetáculo de cantigas, lendas e histórias populares. Com um figurino feito de rede de pesca coberto por conchinhas, a personagem canta e conta histórias do mar, envolvendo o espectador em mistérios profundos.







PROGRAMAÇÃO TEATRO BOM DEMAIS 2019




Crédito das fotos pela ordem:
Fábio Prates
Pedro Medeiros
Cia Gina Circus
Cia Marionetas MicroBio
e as demais Fábio Prates

sábado, 22 de dezembro de 2018



Bombinhas vive noite de gala em sua segunda Intitulação dos Mestres, valorizando saberes e fazeres tradicionais, repassados de geração a geração.


Foi realizada na noite de sexta-feira, 21 de dezembro, a Intitulação dos Mestres da Cultura Tradicional de Bombinhas, na Câmara de Vereadores, onde oito personalidades com notório saber e reconhecidos pela comunidade por seu repasse receberam o título diante de familiares, amigos e autoridades.

Receberam a honraria Mestra Benta Seberiana Lucinda Venézio, na categoria Gastronomia, Mestre Li – Eronildo João de Oliveira, nas categorias Leréu e Boi de Mamão, Mestre Izaias João da Cruz, na categoria Pesca Artesanal, Mestre Cimá – Jucimar José Olímpia, na categoria Construção Naval, Mestra Dete – Odete Maria da Silva, na categoria Gastronomia, Mestre Paulinho – Paulo Gabriel, nas categorias Leréu e Boi de Mamão, Mestra Rosete Lamim de Oliveira, nas categorias Boi de Mamão e Gastronomia, e em memória Mestre Xoxó – Nilton Jerônimo dos Santos, na categoria Benzimentos, título recebido por sua viúva dona Bia – Maria Júlia dos Santos.

A outorga do título em memória é uma inovação do edital de 2018, a primeira intitulação foi realizada em 2014 com a condecoração de 20 personalidades, ambos acontecimentos conforme Lei Municipal 1326 de 23 de julho de 2013, e a partir desta noite, considerada de gala por agentes e produtores culturais e artistas, Bombinhas soma 28 Mestres em sua galeria.

O escritor, músico e pesquisador Marquinho – Marcos Aurino Pinheiro resume o sentimento de todos os envolvidos no acontecimento: “a história se faz com a presença de muita gente, e reconhecer os Mestres da Cultura Tradicional é reconhecer a presença de todos nós na história”.
O acontecimento foi realizado pela Prefeitura de Bombinhas, por meio da Fundação Municipal de Cultura. 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018




Fotos Marcinha Ferreira


Associação Cultural Zé Amândio celebra atividades desenvolvidas durante o ano de 2018.



Na noite desta terça-feira, 18 de dezembro, a Associação Cultural Zé Amândio realizou o Recital anual do Projeto Casa Escola, no Museu Comunitário Engenho do Sertão, onde reuniu além dos protagonistas da noite, os alunos atendidos pela instituição e seus familiares, amigos e comunidade para uma cantata autoral com o tema “O Amor”. As composições e arranjos foram trabalhadas durante o ano com as crianças pela Fernanda Nadir da Silva, presidente e também fundadora da associação, que culminou no Recital que marca o encerramento das atividades da instituição no ano de 2018.

A data eleita é justamente o aniversário do Mestre que nomeia a instituição, seu José Amândio da Silva Júnior, que se vivo fosse teria completado em 18 de dezembro 96 anos, e também por este motivo nada melhor que celebrar o amor junto ao engenho que um dia pertenceu a ele. Fernanda Nadir destaca que o ano foi de muito trabalho e aprendizado e por isso mesmo o tema escolhido é o amor envolvido em todo esse processo: “nosso objetivo no Projeto é despertar em cada alma o espírito de gratidão, e continuar vivendo com sensibilidade um dia de cada vez, já que Deus nos deu de presente a vida, celebramos este dom”.

A Associação Cultural Zé Amândio tem um histórico de 11 anos de existência, atendeu 15 alunos entre sete e 16 anos, e propiciou as seguintes atividades em 2018: vivência na Pesca Artesanal da Tainha e Farinhadas, oficinas de cerâmica e de versos de Pão-Por-Deus, oficinas de composição e arranjo de músicas e realizou seu VII Recital.




terça-feira, 18 de dezembro de 2018





FMC adquire 58 novos títulos para acervo da Biblioteca Pública Municipal Cruz e Sousa.


A Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas comunica os leitores bombinenses que a Biblioteca Pública Municipal Cruz e Sousa recebeu nesta semana 58 novos títulos que estarão à disposição da comunidade a partir de 2019, após o cadastramento no sistema. O investimento na ordem de R$ 2.549,00 propiciou a aquisição de estrelas das listas dos mais lidos de diversos países, entre eles os volumes 11 e 12 do “Diário de um Banana” de Jeff Kirney, “A Cruzada Secreta” de Oliver Bowden, “Casa das Estrelas” de Javier Naranja, “Persépolis” de Marjane Satrapi e “Aventuras na Netoland com Lucas Neto”.

Atualmente são mais de 8500 títulos disponíveis para empréstimos à comunidade, e quem ainda não tem cadastro basta apresentar documentos pessoais e comprovante de residência. A Biblioteca Cruz e Sousa localiza-se à rua Primavera, 28, Morrinhos, junto à Casa de Cultura Piana do Crivo, com horário de funcionamento das 8 às 19h30, ininterruptamente de segunda a sexta-feira.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018




Bombinhas mai uma vez, se curva diante de seus Mestres”


Diante da comunidade bombinense, na sexta-feira, dia 21 de dezembro, a Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, realiza mais uma noite de gala para a cultura de base local, com a Intitulação dos Mestres da Cultura Tradicional de Bombinhas. Na ocasião receberão a honraria oito personalidades, sendo um deles em memória, que além de serem detentoras dos saberes e fazeres, têm ou teve a generosidade de repassar a quem os procura, propiciando que as raízes da identidade cultural local perpasse as gerações e encontre mais que ecos, essência e a valorização no decorrer dos anos. Os Mestres foram indicados pelas instituições culturais de Bombinhas, conforme a Lei Municipal 1326/ 2013.

Os detentores destes saberes notórios recebem a homenagem diante de autoridades municipais e estaduais na Câmara de Vereadores, localizada à Avenida Baleia Jubarte, 344, no bairro José Amândio, às 19 horas e a FMC estende o convite à comunidade para prestigiar este momento único e histórico.

O que: Intitulação do Mestre da Cultura Tradicional de Bombinhas
Quando: Dia 21 de dezembro, sexta-feira, às 19 horas.
Onde: Câmara de Vereadores de Bombinhas – Avenida Baleia Jubarte, 344, José Amândio, às 19 horas
Entrada e classificação: Livres
Realização: Prefeitura de Bombinhas, através da Fundação Municipal de Cultura
Apoio: Câmara de Vereadores de Bombinhas




Representantes de oito dos 14 engenhos bombinenses se fizeram presentes na homenagem organizada pelos segundos anos do EMIEP.



Na noite da quinta-feira 5 de dezembro, os alunos dos 2º anos do EMIEP da EEB Maria Rita Flor, realizaram uma homenagem aos engenheiros bombinenses e aos dois espaços culturais representativos aos engenhos de Bombinhas: o Engenho do Miminho sob a guarda da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, e o Museu Comunitário Engenho do Sertão. A noite contou com diversas apresentações artísticas e documentários preparados pelos próprios alunos e os homenageados receberam um troféu feito pela artista e professora Patrícia Estivallet e um certificado de Honra ao Mérito em reconhecimento à manutenção do Patrimônio Histórico e Cultural Bombinense.

Participaram da homenagem representantes dos dois espaços culturais, os Mestres engenheiros: Mestre Bielinho e sua esposa Jucélia Silva, Mestre Suel Gonzaga e Mestra Rosa Dias. E ainda Lenio Mendes do Engenho Lenio e Lenício Mendes e Elba e Azeneu Cruz do Engenho do Vô Neu.

A professora de história Caroline Celle Waltrick de Oliveira Floriano, responsável pela turma do 202 que organizou a noite especial, destaca que o objetivo da turma foi promover mais um ato em defesa da manutenção do Patrimônio Cultural, em especial os dos engenhos que são tão vivos na península. Atualmente Bombinhas soma 14 engenhos, sendo três em espaços culturais, um de propriedade de um hotel que o mantém montado e aberto ao seu público interno, três estão guardados por suas famílias e sete são produtivos.

A gestora da EEB Maria Rita Flor, Sirlei Manes, agradeceu a disposição dos engenheiros em receber os alunos para visitação e relatos de experiência, e ressaltou a importância de proporcionar essa convivência tanto aos estudantes oriundos de outras localidades, quanto aos nascidos em Bombinhas. “Eu fico encantada de vivenciar este momento aqui no Maria Rita que propicia o conhecimento vivo da história dessa cidade acolhedora. Hoje a nossa realidade é que a maioria dos alunos são de outras localidades, estados e até países, e quando assistimos um aluno nascido em outro lugar falar sobre a história local com tanta propriedade nos dá o sentimento de missão cumprida”.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018


Fotos Marcinha Ferreira

Projeto Vô sabe, Vô Ensina” encerra mais uma edição exitosa em Bombinhas.


A quinta-feira 5 de dezembro marcou o encerramento do “Projeto Vô Sabe, Vô Ensina” edição 2018, das aulas de rendas de bilro e crivo. Em sua terceira edição, as duas anteriores foram realizadas em 2013 e 2017, o projeto concretizado pela Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, já propiciou aulas de rendas de crivo e bilro, de cestaria e balaios, redes e tarrafas, gastronomia típica e artesanato de escamas de peixe.
Em 2018 as aulas de renda de bilro ficaram a encargo da artesã Carine Laranjeiras, discípula da Mestra Elza Rosa, e de renda de crivo sob responsabilidade da Mestra Lena – Helena Luíza da Silva, que neste ano recebeu do Núcleo de Estudos Açorianos – Nea, o Troféu Ilha do Pico que reconhece Mestres dos Saberes e Fazeres. No total foram 19 alunas certificadas.

A confraternização foi realizada no Espaço Cultural Engenho do Miminho e também promoveu a celebração entre as turmas e mostra dos trabalhos realizados durante o ano. Ainda, assumiram o compromisso de dar continuidade ao processo de aprendizagem em 2019.

Carine Laranjeiras agradeceu a base de seus conhecimentos, que além da Mestra Elza também soma dona Glorinha e outras rendeiras de Florianópolis e o rendeiro Dinho com quem aprendeu a tramoia, e a dedicação das alunas: “fico feliz que tenha pessoas que queiram aprender e para o ano que vem espero que tenhamos ainda mais aprendizes. Também peço que tragam seus filhos e netos, pois este convício nestes momentos de manutenção da tradição são preciosos”, ainda lembrou que quando criança teve a oportunidade de conviver com uma senhora rendeira: “este convívio despertou a paixão pela renda em mim, embora eu tenha duas bisavós rendeiras não pude aprender quando pequena, mas a semente foi plantada”.

A Mestra Lena em seu terceiro ano no “Projeto Vô Sabe, Vô Ensina” como instrutora ressaltou sua alegria em poder repassar seus saberes: “eu tive a oportunidade de aprender aos 12 anos e aos 17 atendia encomendas de Florianópolis e Ganchos. E é muito bom poder ensinar outras pessoas, eu gostei muito desses últimos dois anos que trabalhei com minhas alunas de forma contínua. E estou pronta para a quarta edição do Projeto.”


quinta-feira, 6 de dezembro de 2018


crédito das fotos: Laura Cristina Rogero Dutra



No último sábado, 1º de dezembro, a Academia de Letras do Brasil Santa Catarina seccional Bombinhas, Mestre Atílio Antão realizou o Encerramento do Ano Literário da ALBSC no auditório Dona Dinha – Maria Rita Flor, da EEB Maria Rita Flor. O acontecimento é realizado de forma itinerante permitindo as 103 confrarias da ALBSC sediar tanto a abertura, quanto o encerramento do Ano Literário da instituição.

Estiveram presentes além dos anfitriões bombinenses encabeçados por sua presidente a Marcinha – Márcia Cristina Ferreira, representantes das Academias da Microrregional Amurel e Blumenau, e das seccionais de Imbituba, São José, Balneário Piçarras e Lontras. A solenidade foi conduzida pelo presidente da ALBSC, professor Miguel João Simão, e também contou com a presença do vice-presidente Osmar Cardoso.

Todos os acadêmicos presentes receberam a medalha Escritora Deise Cristina de Melo de Souza, confreira local titular da cadeira nº 04, e os apoiadores da instituição bombinense receberam além da medalha, o certificado de honra ao mérito “Moção de Reconhecimento de Apoio à Literatura Bombinense 2018”. Emocionada Deise comenta a honra de nomear a medalha do Encerramento Literário da ALBSC: “senti enorme orgulho e satisfação em ter meu nome nesta medalha, é o reconhecimento de 23 anos de trajetória na proteção e manutenção das pesquisas sobre a oralidade bombinense”.

A presidente da ALBSC Bombinhas Mestre Atílio Antão, ressalta a importância de reconhecer as empresas e personalidades bombinenses que colaboraram com a literatura local. “O certificado denota o nosso reconhecimento aos que abraçam a responsabilidade literária em nosso município. Algumas pessoas não tem a veia da escrita, da palavra, mas ainda assim sentem-se no dever de impulsionar a literatura, esse sentimento merece ser celebrado, evidenciado e reconhecido por nossa confraria”, comenta Marcinha. 

A Abertura do Ano Literário da ALBSC de 2019 acontece no dia 23 de fevereiro na cidade de Ibirama.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Foto Cook Mella



Alunos e professores apresentam espetáculos finais de encerramento do ano de 2018.


Os últimos dois encerramentos da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas aconteceram nos dias 29 e 30 de novembro. Na quinta-feira os alunos das aulas de violino e violoncello do Projeto Oficinas Culturais e da Banda Municipal de Bombinhas, os três sob a batuta do Maestro Carlos Caetano, levaram ao palco do auditório dona Dinha – Alair Maria Stapait da EEB Maria Rita Flor, o Concerto Didático, onde um repertório plural ganhou a noite com momentos em que os próprios alunos compartilharam seus conhecimentos sobre seus instrumentos.

Foto Cook Mella
Já a sexta-feira, 30, reuniu os alunos de Musicalização, Música Materna, Coral Infantojuvenil "EnCanto" e Técnica Vocal, as quatro oficinas sob responsabilidade e regência da professora Anna Lehm, Coral de Libras “Mãos que Cantam”, sob responsabilidade e regência da professora Sabrina da Cruz Rodrigues e Teclado sob a responsabilidade da professora Maria José Delgado. E da mesma forma como foi na quinta-feira, tanto as apresentações em conjunto, quanto os solos deram um show no palco e emocionou o público presente. O Recital ainda contou com as participações especias do guitarrista Pedro Silva, do professor Vinícios Reinaldo de Melo no contrabaixo, do professor Eri Cavalcante na bateria, da professora Maria José Delgado no piano e cajón, dos violonistas Luiz Henrique Stapait e Vitor Gimenez, e do professor João Galhardo também no violão.

A professora Anna Lehm fala que o acontecimento é um momento dos alunos, de troca de energias com a plateia: “o Recital é uma oportunidade de mostrar o trabalho do professor com os alunos em sala de aula, de levar aos familiares e a comunidade um pouco do que fazemos a cada semana e propiciar a música além da sala de aula, é a ocasião perfeita de confraternizar e compartilhar”.

Foto Marcinha Ferreira
O professor e Maestro Caetano resume os sentimentos de todos os seus alunos ao afirmar que tratou-se de uma noite inesquecível: “Uma noite memorável, cheia de aprendizado e muita música boa, onde músicos e público interagiram de forma ímpar! O repertório foi feito com base no aprendizado do grupo de violinos, e as músicas apresentadas pela Banda Municipal foram as mais diversas, feitas com carinho para atender a todos os gostos”.

O Projeto Oficinas Culturais entrou em férias no dia 1º de dezembro e retoma suas atividades no mês de março de 2019.


Foto Marcinha Ferreira


segunda-feira, 3 de dezembro de 2018




Alunos do Projeto Oficinas Culturais recebem amigos, familiares e comunidade em geral em dois grandes espetáculos.


Os dois primeiros encerramentos do Projeto Oficinas Culturais da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, que abriram a reta final das aulas, reuniram na quinta e sexta-feira, 22 e 23 de novembro, mais de 300 pessoas nos dois dias de confraternização e demonstração do conteúdo apreendido durante o ano de 2018.

A Mostra de Dança propiciou no palco com direito a cenário feito especialmente para a ocasião, no auditório Dona Dinha – Alair Maria Stapait, da EEB Maria Rita flor seis atos do ballet clássico ao hip hop, sob a coordenação e coreografias das professoras Jéssica Delgadinho e Tissiani Wolf, e contou com a participação especial do Círculo Dakini. Um momento singular foi a dança livre da turma do Canto Grande, em que as alunas lembraram da Danda, Rosângela Rute Sena, que no ano anterior estava junto a turma no encerramento esbanjando sua alegria, e agora é uma estrela a bailar no palco da eternidade. Josiane Zelita da Silva, da turma de dança livre do Centro, fala da emoção de participar pela primeira vez da Mostra de Dança. “Adorei, deu um frio na barriga, coisa que eu não sentia há tempo!
Foi tudo muito lindo, as crianças estavam lindas também”, Josi, como é conhecida a aluna, ainda ressalta que ficará antenada nas redes sociais na publicação do edital das vagas para o ano de 2019, pois, pretende continuar na oficina.

A professora Jéssica Delgadinho, emocionada, agradeceu a dedicação dos alunos e parabenizou pelo espetáculo realizado. “Se tem uma palavra que pode definir o que eu senti é satisfação, em ver os rostinhos deles brilhando no palco, ansiosos pra saber o que estava por vir, pra dançar, enfim, estou muito satisfeita e orgulhosa”.

E na sexta-feira, 23 de novembro, foi a vez dos alunos de violão, guitarra e percussão ocupar o espaço do auditório Dona Dinha. Coordenados pelos professores Erivaldo Cavalcante, Deivid Marques, Vinícios Reinaldo de Melo e João Galhardo, foi uma apresentação mais perfeita que a outra, todos sincronizados e atentos, esbanjando talento. O clássico momento em que os violões se reúnem para fazer uma canção em conjunto, fez subir ao palco 45 alunos de todas as idades, emocionando os presentes.

Após nove anos de serviços prestados à Fundação de Cultura, o professor Vini, Vinícios Reinaldo de Melo, segue para uma nova etapa de sua vida e se despediu com chave de ouro de seus alunos e colegas: “eu queria que fosse assim, uma festa, com os alunos tocando uma música que eles escolheram, com a participação dos amigos e companheiros de trabalho. Não é um adeus, é um até logo”.


O Show de cordas e percussão contou com a participação especial do baterista Rudi Camilo, do guitarrista Pedro Silva, da cantora Anna Lehm e do grupo de Técnica Vocal Adolescente. 






Bombinhas arrasa uma vez mais em sua participação na Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina.


Entre os dias 16 e 18 de novembro, foi realizado na cidade de Porto Belo a 25ª Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina, e Bombinhas uma vez mais teve uma belíssima participação, desde a abertura na sexta-feira, 16, que culminou com a apresentação do Grupo Folclórico Mixtura, que ainda realizou mais duas exibições no decorrer do festejo. O estande da Fundação Municipal de Cultura levou artefatos que retratam a identidade cultural local, propiciando uma bela decoração, além das fotos premiadas no Concurso fotográfico Cerca Rapazi desse ano. Serviu aos visitantes a Consertada bombinense e o licor típico Maracujazinho, ambos feitos pela Mestra da Cultura Tradicional de Bombinhas Salete Maria Pinheiro Pereira, e ofereceu aos interessados material de divulgação do Roteiro Cultural e a revista TU VISSE?!

No sábado, 17, foi a vez de participar ativamente em mais um Desfile Etnográfico representada pela equipe da FMC, pelo Grupo Folclórico Mixtura, pela vereadora Márcia Pinheiro levando a placa de Bombinhas, pelas rendeiras do Projeto “Vô Sabe Vô Ensina”, pelo grupo de Boi de Mamão do Maria Rita Flor, pelo Eira meu Boi da FMC, pelos agraciados do Troféu Açorianidade nestes 25 anos de Açor, Bombinhas possui 13 troféus na península. Pela Comitiva do Divino Espírito Santo de 2019 encabeçada pelo jovem casal imperial Nicolas Almeida e Rafaela Mafra, pela canoa de um pau só “Batedor do Canor” conduzida pelo vereador José Antônio Olímpia representando os pescadores artesanais bombineses e pelos alunos da Escola do Mar – projeto interdisciplinar coordenado pela Secretaria da Educação. Ainda, contou com a requintada
presença de dois Mestres: Salete Maria Pinheiro Pereira e Suel Gonzaga de Melo.

A tarde iniciou com apresentação do grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi, que soma sua quinta exibição num Açor, levando o “Boi de Pau Tradicional Bombinense” ao público presente. A tarde já corria pela metade quando o Grupo de Boi de Mamão da EEB Maria Rita Flor subiu no palco e mostrou a lindeza do grupo formado pelos alunos da escola.


Um domingo chuvoso marcou o último dia do 25º Açor. O dia já iniciou com muita fé e tradição com a Missa das Bandeiras e da Folia do Divino Espírito Santo, Bombinhas foi representada pelas Bandeiras das Comunidades de Bombas, Centro, Sertãozinho e José Amândio, uma particular do casal Edemir e Marinete Pinheiro e pela Bandeira do Grupo Folclórico Mixtura, também se fizeram presentes o casal imperial de 2019 Nicolas Almeida e Rafaela Mafra, além da comunidade, sempre participativa. Em seguida foi realizado o Cortejo do Mastro de São Sebastião já que a chuva impediu seu plantio, todavia, as moçoilas e rapazis casadoiros tiverem seu momento de retirada da flor, e ainda, quem quis pôde participar do ritual de São Gonçalo executado no palco do pavilhão pelos Foliões do Divino de Penha.

O presidente do grupo Folclórico Mixtura salienta que foi emocionante e com muita energia este Açor: “Dá vontade de seguir adiante, após 19 anos da nossa primeira atuação, no ano de 1999, poder vivenciar essa recordação, estar no palco ao lado de nossa casa e ver a comunidade prestigiando um evento tão especial que nos retrata, foi maravilhoso”.
O gaiteiro e vocalista Ramon Souza, fez sua segunda exibição como integrante do Grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi, acompanhado esse ano pelas filhas Ana Laura e Beatriz, as duas mais jovens integrantes do grupo, a beleza de vivenciar mais um Açor o inspirou em alguns versos:

Nos tempos da atualidade
E da foto digital
Esquecemos velhos álbuns
Hoje é mídia social
Mas eu sou do tempo antigo
Do singelo e tradicional
E cantar com minhas filhas
Uma emoção sem igual
Oh bom Jesus nos abençoe
Virgem Maria nos proteja
Peço a Deus o necessário
Dignidade em nossa mesa
Sigo em frente meu destino
Com coragem e com firmeza
Tendo Deus em nossas vidas
E a fé por fortaleza”.


O 26º Açor, a ser realizado em 2019, acontece na cidade de Penha ainda sem data agendada. E a Prefeitura de Bombinhas, através da Fundação Municipal de Cultura, já é presença confirmada no festejo.