quinta-feira, 23 de maio de 2019




Instituto BoiMamão realiza roda de tradição oral como marco do início do projeto Farinhadas 2019.


Na tarde da última terça-feira, 21 de maio, o Instituto BoiMamão iniciou o projeto Farinhadas 2019, com a roda de conversa “Vidas de engenho”, no Museu Comunitário Engenho do Sertão. As Farinhadas é um projeto contemplado no edital Mestra Elza Rosa, realizado por meio do Programa Municipal de Salvaguarda do Patrimônio Cultural, com patrocínio da Prefeitura de Bombinhas e da Fundação Municipal de Cultura.

Participaram da roda da tradição oral um grupo seleto de matronas bombinenses, entre elas as Mestras Ana Calixto Rocha (agricultura familiar e gastronomia) e Benta Venézio (gastronomia), e o grupo de Itajaí e Navegantes, formado por mulheres descascadoras de camarão e manuseadoras de pescados, e pescadores, que vieram através do Projeto de Educação Ambiental – PEA, da Petrobrás, conduzido pela bióloga Gisele Rosa Abrahão e a cientista social Katiuscia Welhelm Kanguski.

A mediadora do acontecimento, professora Dra. Yolanda Flores e Silva, da Univali, ressaltou a importância dos saberes do grupo: “as pessoas acostumaram a achar que todo mundo tem que ir para a Universidade. Nós esquecemos que podemos ser mestres da farinha, por exemplo, e ainda assim sermos importantes, aliás, muito importante na trajetória humana”, conclui a antropóloga.

Para celebrar o encontro ao final foi servido um café típico, propiciando uma confraternização entre os tantos sábios da tarde, que se encerrou com a promessa de um reencontro em breve.

segunda-feira, 20 de maio de 2019




O filme “de Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca” vencedor do Prêmio Catarinense de Cinema será exibido gratuitamente na Casa de Cultura Dona Tila.


Acontece no dia 31 de maio, sexta-feira, às 15h00 a exibição do curta-metragem “de Meiembipe a chuquisaca: descoberta do Império Inca”, na sala multiuso da Casa de Cultura Dona Tila, localizada à rua Parati, 203, Centro. O filme vencedor do Prêmio Catarinense de Cinema narra a aventura do espanhol Aleixo Garcia pela principal transcontinental indígena do Cone Sul, o Peabiru, que se conectava ao Khapac Ñan, a rede de estradas incaicas, no Alto Peru, atual Bolívia. Tem a direção de Carolina Borges de Andrade, direção de arte e ilustrações de Eloar Guazzelli, direção de produção de Alexandre Peres de Pinho e animação de Lucas Feitosa.
A obra, um híbrido de animação e live action, reúne o gênero road movie, ou “filme de estrada”, já que os realizadores refizeram a viagem de Garcia nos dias atuais, percorrendo as principais cidades e estados brasileiros, paraguaios e bolivianos por onde passou o protagonista, no então Caminho do Peabiru, na tentativa de refazer a rota Guarani.
O curta-metragem de 25 minutos de duração, foi inspirado no livro da jornalista e escritora Rosana Bond, “A Saga de Aleixo Garcia: o descobridor do Império Inca”, publicado pela Editora Aimberê (1998), e foi contemplado com o Prêmio Catarinense de Cinema.

Ficha Técnica
Título: de Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Direção, Roteiro e Pesquisa: Carolina Borges de Andrade
Art Concept, Ilustrações e Direção de Arte: Eloar Guazzelli
Direção de Produção, Direção de Fotografia e Montagem: Alexandre Peres de Pinho
Editor de Animação e Finalização: Lucas Feitosa
Trilha Sonora Original: Kristian Scoth
Duração: 25 min
Ano: 2018
Realização: Arrebol Produções
Patrocínio: Prêmio Catarinense de Cinema/ Fundação Catarinense de Cultura
Apoio:
Prefeitura de Bombinhas por meio da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas
E-mail para contato:
contato@arrebol.com.br

Informações: (47) 3264-7478

Serviço:
O quê: Estreia do filme De Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Quando: 31/05/2019, às 15h00
Onde: Sala multiuso da Casa de Cultura Dona Tila, rua Parati, 203, Centro, Bombinhas/SC
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita





Encontro de gerações marca a Semana de Museus bombinense.


Aconteceu na tarde de quinta-feira, 16 de maio, no Espaço Cultural Engenho do Miminho, o Encontro de Mestres da Cultura Tradicional de Bombinhas, com a presença dos Mestres Rosa Dias (engenho de farinha de mandioca), Ana do Bá (gastronomia e agricultura familiar), Lena da Silva (renda de crivo), Rosete Lamim (gastronomia e boi de mamão), Salete Pinheiro Pereira (gastronomia e memória), Naro Pinheiro (pesca artesanal e memória), Suel de Melo (engenho de farinha de mandioca), Hermínio Vieira (cestaria e balaios), Pepedro (boi de mamão), Isaias Cruz (pesca artesanal), Lindomar Sant’Ana (terno de reis) e Paulinho Gabriel (boi de mamão e leréu), e dos futuros Mestres Aurea Rocha Mendes, Tibúrcia da Silva, Darci Olímpia Gabriel, Biota Vieira e Rosa Melo. Os Mestres falaram sobre suas vivências, sobre as mudanças em Bombinhas e sobre a manutenção das tradições para um grupo sedento por seus conhecimentos, extremamente plural, formado pelos alunos do 8º ano da EEB Prefeito Leopoldo José Guerreiro, e pela comunidade.

O encontro foi realizado durante a Semana Municipal de Museus em consonância com a nacional. É a segunda vez que o Espaço Cultural Engenho do Miminho participa da atividade, esse ano com o tema “Museus como núcleos culturais: O futuro das tradições”, em sua 17ª edição e celebrada de 13 a 19 de maio.

Os Mestres ainda cantaram o leréu, responderam questionamentos, versaram de improviso como o caso do Pepedro, e principalmente puderam confraternizar entre si, alguns não se viam há algum tempo. E vem do Pepedro a puxada de orelha as novas gerações: “não quero ofender os jovens, eu mal sei riscar meu nome e não quero ofender quem estuda, mas falta muito respeito com os mais velhos”.

A professora Cláudia Amaral de geografia, uma das acompanhantes dos alunos, fala da experiência única que puderam presenciar e participar. “Sem dúvida alguma é um dia para ficar na memória: encontro de gerações, uma viagem ao passado da cultural bombinense e a luta para manter a cultura presente para os que hoje constroem a história local, e para os que virão”. Além da professora Cláudia, acompanharam os alunos da EEB Prefeito Leopoldo José Guerreiro a coordenadora pedagógica Nara Maristela Moreira, a gestora Ana Beatriz Passos, e os servidores Cleusa e Valter.

Fotos: Luiz Felipe de Melo. 



terça-feira, 14 de maio de 2019



Projetos submetidos ao edital de Salvaguarda do Patrimônio Cultural “Mestra Elza Rosa” são homologados pela Comissão de Licitação da Prefeitura.


A Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas torna público que a avaliação documental habilitatória das propostas inscritas no Edital de chamamento público “Mestra Elza Rosa” estão de acordo com o solicitado no edital, sendo realizada pela Comissão de Licitação da Prefeitura de Bombinhas que dessa forma, homologou a decisão final da Comissão de Análise e Habilitação:


  • Cota 1 de 28 mil reais: Instituto BoiMamão “Proposta de ações e atividades nos engenhos do município de Bombinhas” – média de 8,57.
  • Cota 1 de 28 mil reais: Associação de Pais e Professores da EEB Maria Rita Flor “Construção do Rancho Cultural Dona Iraci do Guega” – média de 8,4 (como a nota é inferior fica na suplência)
  • Cota 2 de 15 mil reais: Associação Folclórica Mixtura “Evento de valorização a cultura açoriana” – média de 8,05.



segunda-feira, 13 de maio de 2019




Espaço Cultura Engenho do Miminho recebe roda de conversa com os Mestres.



Bombinhas, uma vez mais, integra a programação da Semana Nacional de Museus, e realiza no dia 16 de maio, quinta-feira, às 14 horas, a roda de conversa “Encontro com os Mestres”, no Espaço Cultural Engenho do Miminho, localizado no final da rua Hiena, s/nº, José Amândio, próximo à Câmara de Vereadores. O Objetivo é propiciar o encontro entre os Mestres da Cultura Tradicional de Bombinhas com a comunidade para mais uma oportunidade de beber de seus saberes, e realizar uma confraternização regada a beijú e cafezinho.

É a segunda edição que o Espaço Cultural Engenho do Miminho participa da programação nacional da Semana de Museus, esse ano com o tema “Museus como núcleos culturais: O futuro das tradições”, em sua 17ª edição e celebrada de 13 a 19 de maio. Embora o espaço ainda não seja um museu se prepara para num futuro próximo transformar-se em um. Atualmente funciona como um local de memória viva, onde as pessoas podem interagir com as peças exposta, conhecer sua história e literalmente colocar a mão na massa, já que, ali são realizadas as Tardes do Beijú, justamente para proporcionar a vivência a moradores e visitantes.
Para participar do “Encontro com os Mestres” não precisa fazer inscrição, basta chegar e aproveitar o momento. A entrada e a classificação são livres.




Programa de Salvaguarda do Patrimônio Cultural recebe prêmio no IX Fórum Catarinense de Gestores de Cultura.


Entre os dias 8 e 10 de maio, aconteceu o IX Fórum Catarinense de Gestores de Cultura, na cidade de Garopaba, com três dias intensos de trabalho, realizado pela Prefeitura de Garopaba, Federação Catarinense dos Municípios – Fecam, e Conselho de Gestores Municipais de Cultura de Santa Catarina – Congesc. Na noite de 9 de maio aconteceu a segunda edição do Prêmio de Boas Práticas em Gestão Cultural, com o objetivo de reconhecer e valorizar as ações exitosas e experiências na gestão cultural. Bombinhas levou o Prêmio na categoria de cinco a 20 mil habitantes, com o “case” Importância do Programa de Salvaguarda do Patrimônio Bombinense. Ainda, na categoria até cinco mil habitantes o município de Botuverá foi o vencedor, e acima de 20 mil habitantes sagrou-se vitorioso o município de Gaspar. Na categoria Associação de Municípios a vencedora é a Associação de Municípios da Região da Grande Florianópolis – GRANFOLIS. 

Na manhã de sexta-feira, 10 de maio, foram apresentados os quatro “cases” exitosos e premiados e a nova diretoria do Comitê Gestor do Congesc tomou posso, sendo presidido pelo presidente do Colegiado de Cultura da Amfri, Marcos Montagna, somados ele na diretoria: Viviane Bueno na vice-presidência, Jerry Laurindo como secretário, Jaime Batista secretário adjunto, Renan Higor Fedrigo como diretor de comunicação e Célia Regina de Bortoli como diretora de formação. Por fim, a cidade que terá o privilégio de sediar o X Fórum Catarinense de Gestores de Cultura, no ano de 2020, é Ibirama, escolhida por sorteio.

Marcos Montagna fala dos desafios do Congesc no atual contexto da gestão cultural tanto no Estado, quanto na federação: “desde 2010 o Congesc se mostra um colegiado fundamental para as políticas públicas de Santa Catarina, haja vista os resultados até aqui. Nosso desafio é manter esse trabalho de fortalecimento das políticas municipais de cultura nesse momento de mudanças na gestão, e aproximar o Congesc da sociedade civil e do legislativo, pois ambos são fundamentais nesse processo de construção”.



terça-feira, 7 de maio de 2019




Casa de Cultura Dona Tila está de portas abertas para a comunidade e visitantes.


O mais novo espaço cultural bombinense, a Casa de Cultura Dona Tila, foi inaugurada na manhã desta segunda-feira, 6 de maio, diante da comunidade bombinense, três gerações da família da homenageada, a benzedeira Otília Maria Júlia Mafra Cruz, conhecida como Mãe Tila ou Dona Tila, e autoridades. A ocasião propiciou um passeio artístico pelo Projeto Oficinas Culturais, da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, já que o espaço passa a abrigar as aulas do bairro Centro. É também na Casa de Cultura Dona Tila que funciona o setor administrativo da FMC.

Trata-se do terceiro espaço exclusivamente cultural bombinense, sendo os outros dois a Casa de Cultura Piana do Crivo no bairro Morrinhos, e o Engenho do Miminho no bairro José Amândio, os três sob o arcabouço da Fundação de Cultura. Todavia, essa edificação tem um histórico diferenciado, já que, é o único prédio tombado do município, sua construção remete a década de 60 e o tombamento do ano de 2001.

A bisneta de Dona Tila, criada pela bisavó, fala da importância para a família, a Casa de Cultura nomear a matriarca do tronco: “é uma forma de preservar a memória dela. Quem não conheceu a Mãe Tila, terá a oportunidade de saber um pouquinho da história dela, do jeito como era carinhosa, bondosa, como recebia as pessoas e benzia”.

O atendimento ao público na Casa de Cultura Dona Tila é feito das 8 às 18 horas de segunda a sexta-feira. Ainda, funciona no espaço o Clube de Mães todas as terças-feiras das 14 às 17 horas, e o Grupo da Terceira Idade do bairro Centro tem sua sede no local, e pretendem abrir todos os dias da semana. Outro ganho é sala multiuso que também será usada para exposições, nesse momento estão em exibição os trabalhos dos alunos de Artes do Projeto Oficinas Culturais, e a a equipe da FMC, bem como ambos grupos, convidam à comunidade para conhecer o novo espaço cultural e prestigiar a exposição.

Fotos: Manuel Caetano, Luiz Felipe de Melo e Tiago Flores.   



segunda-feira, 6 de maio de 2019





Pesca Artesanal da Tainha com Canoas de Um Pau Só agora é Patrimônio Cultural Imaterial de Santa Catarina.


No domingo, 5 de maio, foi realizada a Missa de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha, na praia de Bombas, um acontecimento tradicional, organizado pela comunidade pesqueira, com o apoio da Prefeitura de Bombinhas, por meio da Fundação Municipal de Cultura, e da Paróquia de Nossa Sra. da Imaculada Conceição, este ano em sua décima primeira edição.

Como acontece todos os anos, a cerimônia emocionou os presentes com a beleza e leveza dos ritos litúrgicos agregados aos artefatos da atividade, prova disso é o ofertório vivo apresentado com redes de pesca, produtos da terra, a réplica de duas canoas de um pau só, farinha de mandioca, uma luminária conhecida entre os locais por “pomboca”, e quatro pequenas tainhas pescadas ao raiar do sol domingo na Praia do Retiro dos Padres. Também considerado um momento emocionante, a passada da rede de pesca, conduzida por uma moça representando Nossa Senhora, é sempre muito aguardado tanto pela comunidade, quanto pelos visitantes que participam.

Entretanto, a solenidade oficial de início da pesca artesanal da tainha em Bombinhas este ano somou um acontecimento há muito aguardado pelos pescadores, sonhado mesmo, e finalmente concretizado: a entrega do Termo de Registro de Patrimônio Cultural Imaterial de Santa Catarina da “Pesca Artesanal da Tainha com Canoas de Um Pau Só” ao município de Bombinhas, pela Fundação Catarinense de Cultura – FCC. O momento, realizado na Ação de Graças da missa, contou com as presenças do prefeito Paulo Henrique Dalago Müller, da presidente e do historiador da FCC, Ana Lúcia Coutinho e Rodrigo Rosa respectivamente, da presidente interina da Fundação Municipal de Cultura, Tábata Torres, do representante do Ministério da Cidadania, Alexandre Gouveia Martins, dos Mestres da Cultura Tradicional na categoria pesca artesanal, Zequinha Olímpio e Naro Pinheiro, representando os pescadores bombinenses, além do celebrante da missa, padre Silvano Oliveira.

A historiadora e antropóloga Ana Lúcia Coutinho, presidente da FCC, enfatiza a importância do reconhecimento para as novas gerações, porque fundamenta o repasse dos saberes: “este momento hoje aqui não tem preço em nível de Brasil, porque esta comunidade juntou a pesca da tainha com seu principal instrumento para adentrar o mar para pescar o peixe, que é a canoa de um pau só. Então, só temos a agradecer a iniciativa da Fundação de Cultura de Bombinhas por ter acatado esse anseio dos pescadores locais”.
Mestre Naro no alto de seus 93 anos e dono do título de pescador mais experiente de Bombinhas, não escondia sua alegria com o registro: “pena que isso aconteceu agora no final da minha vida, se fosse antes quanta coisa eu poderia ter feito! Agora fica para as novas gerações, e com certeza o repasse está garantido”.

A “Pesca Artesanal da Tainha com Canoas de um Pau Só” praticada em Bombinhas é uma manifestação cultural reconhecida pela comunidade pesqueira, e teve seu processo de registro iniciado em 2017 quando a Fundação Municipal de Cultura entregou à FCC um ofício, endossado pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais – ComCultura, dando ciência à Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural sobre a intenção da comunidade em ter reconhecida sua tradição como patrimônio catarinense. Assim, foi elaborado um dossiê, com a anuência e acompanhamento dos pescadores artesanais. A “Pesca Artesanal da Tainha com Canoas de um Pau Só” ocupa o registro de número quatro, no livro I, Dos Saberes, sendo a terceira comunidade pesqueira em Santa Catarina a ter sua tradição formalmente registrada pela FCC, as outras duas são as comunidades do Campeche em Florianópolis, e de Laguna.

Fotos: Luiz Felipe de Melo e Marcinha Ferreira. 



terça-feira, 30 de abril de 2019



Tarde do Beijú de maio integrada à programação do 2º Festirua acontece no dia 2 de maio.


Nesta quinta-feira, dia 2 de maio, acontece mais uma Tarde do Beiju no Espaço Cultural Engenho do Miminho, no bairro José Amândio, das 14 às 17 horas. Esta edição do encontro está atrelada à programação do Festival Internacional de Teatro e Títeres de Rua – Festirua, e propicia às matronas bombinenses compartilhar seu ser, saber e fazer cultural com além dos visitantes, estudantes e comunidade em geral, também com artista oriundos de oito países. A FMC convida população e visitantes para prestigiarem este importante acontecimento de salvaguarda e manutenção da tradição local. Para participar não é preciso fazer inscrição.


O quê: Tarde do Beijú especial 2º Festirua
Quando: 2 de maio, das 14 às 17 horas
Onde: Espaço Cultural Engenho do Miminho, final da rua Hiena s/n, José Amândio
Informações: Sede administrativa da FMC 3264-7478.
Entrada e classificação: Livres
Realização: Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas
Apoio: Cia Sandra Baron




Bombinhas inaugura sua segunda Casa de Cultura, desta vez no bairro Centro, e a comunidade ganha mais um espaço de vivências e aprendizado.


Acontece na próxima segunda-feira, dia 6 de maio, às 9 horas, a inauguração da Casa de Cultura “Dona Tila”, localizada à rua Parati, 203, Centro, local onde funcionava o CEI Débora Santana. O único prédio tombado pelo patrimônio histórico local passa a abrigar a sede administrativa da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, as aulas do Projeto Oficinas Culturais disponibilizadas para o bairro do Centro, a sede do Grupo da Terceira Idade do Bairro Centro e também, às terças-feiras, o Clube de Mães de Bombinhas passa a utilizar o local para seus encontros. E recebe o nome da matriarca da família Cruz.

A Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas convida os familiares de Dona Tila, alunos, autoridades e comunidade em geral para participar deste importante momento para a cultura bombinense.


Dona Tila

A personalidade bombinense que nomeia à Casa de Cultura, a benzedeira dona Otília Maria Júlia Cruz, conhecida por todos como “Mãe Tila”, “Sinhá Tila” ou “Dona Tila”, nasceu no tronco familiar Mafra e é a matriarca da grande família Cruz, a qual formou juntamente ao esposo José Tomé da Cruz. Dedicou sua vida inteira aos benzimentos, ajudando as pessoas sem importar horário, e tornou-se, de fato, uma mãe generosa que acolheu como sendo seus inúmeros filhos bombinenses, e mesmo de outras localidades que a procuravam para benzer. Os turistas quando descobriam que se tratava de uma benzedeira não perdiam a oportunidade de receber sua bênção e orações.

Era comum nas manhãs das Sextas-feiras Santa, dona Tila, como parte de seu ritual matinal de benzimento, molhar as pernas na água do mar no intento de purificação. Depois disso era uma infinidade de pessoas para atender durante todo o dia, a ponto de nem parar para fazer as refeições. A senhora não deixou herdeiros na arte de benzer, faleceu em 26 de agosto de 1997.

Sua sabedoria rompeu as fronteiras bombinenses e a filha da península é uma das maiores balaustras dos troncos familiares tradicionais, ainda hoje, lembrada com muito respeito e admiração. Seus saberes e fazeres, a arte de ter sempre uma receita de chá para confortar, foram muito importantes para a comunidade numa época em que os recursos médicos eram parcos.

O quê: Inauguração da Casa de Cultura “Dona Tila”
Quando: Segunda-feira, dia 6 de maio, às 9 horas
Onde: Rua Parati, 203, Centro, local onde funcionava o CEI Débora Santana.
Realização: Prefeitura de Bombinhas, através da Fundação Municipal de Cultura
Informações: (47) 3264-7478, cultura@bombinhas.sc.gov.br


segunda-feira, 29 de abril de 2019



Festival de Teatro começou no último sábado e segue até dia 5 de maio, com artistas de três continentes.


No sábado, 27 de abril, foi realizada a abertura do Festival Internacional de Teatro e Títeres de Rua – Festirua, na Av. Vereador Manoel José dos Santos, Centro, que segue até dia 5 de maio. Em sua segunda edição o Festirua é idealizado e realizado pela Cia. Sandra Baron, por meio de projeto aprovado no edital Mestre Cantalício Rocha do Fundo Municipal de Cultura, com patrocínio da Prefeitura de Bombinhas, Fundação Municipal de Cultura e apoio “Amigo da Cultura” do empresariado local e comunidade bombinense. Além da participação da atriz Sandra Baron, diretora da companhia homônima, participaram da solenidade de abertura a presidente interina da Fundação Municipal de Cultura, Tábata Torres, o representante do Ministério da Cidadania, Alexandre Gouveia Martins e o presidente do Costa Esmeralda Convention & Visitors Bureau, Deivid Swan.

Emocionada, Sandra Baron em sua fala contou uma pequena história, a parábola do “Pastor de camelos” onde a moral é “enquanto houver alguém que cumpra sua palavra e alguém que acredite nessa palavra dada, o mundo tem jeito”. E, vertendo lágrimas, ao final disse: “está muito difícil cumprir a palavra dada a cada artista, a cada apoiador, mas vou cumprir a minha palavra, nem que eu tenha que morrer pra isso, e eu vou continuar realizando esse festival”, sua fala é em consequência da atual conjuntura financeira que o país passa, especialmente Bombinhas após a temporada de verão considerada razoável.

O recém-formado Ministério da Cidadania abarcou a Cultura em suas funções, Alexandre Martins é parceiro contumaz em atividades culturais locais, e uma vez mais em território bombinense falou das singularidades do Festirua: “me chama atenção, algumas particularidades em torno do Festirua, mesmo sendo um festival recente, existe um clima de fraternidade que dá a impressão de um festival mais maduro. E a outra questão é a maneira como é organizado, envolvendo a comunidade, o empresariado e o poder público, uma rede de sustentabilidade que se criou no Festirua que é um modelo único, não vejo isso em outros festivais no Brasil, e é muito exitosa”. Após a solenidade de abertura o Grupo “Mamolengo sem fronteiras”, do Distrito Federal, apresentou o espetáculo “Exemplos de Bastião”, arrancando gargalhadas do público presente.

O Festirua este ano traz artistas de oito países que celebram os 30 anos de existência do “Teatro Lambe-lambe”, também chamado de Teatro de Miniaturas ou Teatro de Caixa, onde o espetáculo é apresentado dentro de uma caixa cênica de pequeno porte, por meio da manipulação de bonecos e objetos, para um espectador de cada vez. Na programação tem uma palestra com Ismine Lima e Denise di Santos, criadoras do Teatro Lambe-lambe, exposições, saraus, espetáculos com ações formativas e apresentações teatrais.

A Fundação de Cultura tem dois acontecimentos tradicionais inclusos na programação: o Pirão Cultural a ser realizado hoje, 29 de abril às 19h30, no restaurante O Alquimista Burguer, e a Tarde do Beijú a ser realizada na quinta-feira, 2 de maio, das 14 às 17 horas, no Espaço cultural Engenhod o Mininho.
A programação completa do 2º Festirua está disponível em https://festiruabombinhas.wixsite.com/festirua.

Fotos: Anna Lehm e  Marcinha Ferreira