terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Foto Jackson Castro

Abertura do Ano Literário da ALBSC tem a participação dos escritores bombinenes.


Na noite do último sábado, 17 de fevereiro, foi realizado a Abertura do Ano Literário da Academia de Letras de Santa Catarina, na seccional de Imbituba, com a entrega da medalha jornalista e escritor Fernando Carvalho. Ainda, durante a solenidade encabeçada pelo presidente da ALBSC Miguel João Simão, e organizada pelo presidente da seccional de Imbituba Ronaldo Augusto Pires, foi realizado o lançamento do livro “Pérolas da ALBSC”, uma antologia que reuniu 32 escritores distribuídos por todo Estado, inclusive com a participação de Bombinhas.

Foto Luciano Teixeira
A seccional de Bombinhas, Mestre Atílio Antão se fez presente com os acadêmicos Patrícia Vilma Pinheiro da Silva, Luciano Teixeira, Márcia Sena e a presidente Marcinha – Márcia Cristina Ferreira, que também é a presidente da Microrregional de Itajaí. E muito mais que prestigiar o grandioso acontecimento de abertura dos eventos literários da instituição, receberam, ao final, a chave de fechamento do ano, pois, a Academia Bombinense sediará o “Encerramento do Ano Literário”, a ser realizado no 1º de dezembro.

Atualmente a ALBSC está em 93 cidades e agrega mais de 1000 escritores, e no decorrer deste ano de 2018 já tem sete novas adesões programadas, fortalecendo ainda mais a confraria, segundo o presidente da instituição professor Miguel, que também aponta, a presença de mais de 30 cidades na Abertura do Ano Literário. “Um evento como esse sentimos o calor humano dos confrades e confreiras, fazendo mais um grande acontecimento da nossa instituição. E pra fazer cultura, história literária neste país, não precisa de recurso público e avançar na Lei Rouanet, tão difícil de ser alcançada. Nós fazemos com garra e muita vontade mesmo com os parcos recursos da seccional que organiza. Nós cumprimos muito bem nosso papel!”, ressalta o presidente da ALBSC.


A escritora e jornalista Marcinha, presidente da seccional Bombinhas Mestre Atílio Antão, destaca que sediar um evento desta monta é de grande importância para fortalecer a Academia Bombinense: “estamos debutando enquanto instituição, em agosto completamos um ano de existência, e em tão pouco tempo já sediarmos um acontecimento tão importante quanto o Encerramento Literário da ALBSC é um privilégio pra nossa cidade, pra nossa Academia, pra nossa gente e para todos os representantes da nossa literatura”, enfatiza a escritora Marcinha. 

Foto Luciano Teixeira

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018



Projeto Cultura na Rua encerra temporada de 2018 em grande estilo com a apresentação do Sarau Afro-açoriano, no bairro Canto Grande.

Nesta quinta-feira, 22 de fevereiro, acontece a última edição de 2018 do Cultura na Rua, da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas. Como o acontecimento é realizado de forma itinerante quem fecha o projeto este ano é o bairro Canto Grande, e, para encerrar com chave de ouro, a atração artística é o grupo Sarau Afro-açoriano. O conjunto tem em seu elenco artistas de Bombinhas, Porto Belo e Itajaí e retrata a cultura local em canções dignas de poemas, e não é incomum a emoção ser o destaque da noite em suas apresentações.

E, ainda, tem o diferencial do grupo ter sido o vencedor do melhor álbum no Prêmio da Música Catarinense 2017, com o disco “Fui tarrafear”. O Cultura na Rua desta quinta-feira acontece ao lado da Igreja São sebastião às 21 horas. A entrada e a classificação são livres.

O quê: Último Cultura na Rua de 2018 – Grupo Sarau Afro-açoriano
Quando: Quinta-feira, 22 de fevereiro, às 21 horas
Onde: Ao lado da Igreja São Sebastião, Rua Professor João José da Cruz, 1743, Canto Grande
Realização: Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas

Entrada e classificação: Livres

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018


Música brasileira, genuína, é apresentada para moradores e visitantes, gratuitamente.

O Cultura na Rua desta quinta-feira, 15 de fevereiro, trouxe uma atração diferenciada na Feirinha de Artesanato do Centro, o show foi por conta do músico Alfredo Coelho que toca violão de sete cordas e apresenta repertório de choro com o intuito de valorizar a música instrumental brasileira e sua riqueza cultural. E além de tocar com maestria, dá uma verdadeira aula sobre o estilo musical. A cada composição apresentada ele explica o contexto em que a canção foi composta e aproxima o autor do público com as peculiaridades acerca de cada artista.

Foi assim com os renomados Pixinguinha, Heitor Villa-Lobos, Ernesto Nazareth, Dilermando Reis, entre outros, algumas músicas autorais e encerrou o show com o famoso “Tico-Tico no fubá” de Zequinha de Abreu. Com uma serenidade única Alfredo defende com firmeza o estilo musical, ainda não muito conhecido no gosto popular. “A música define a identidade cultural de um país e por isso, manifestações genuinamente brasileiras, como o choro, precisam ser valorizadas”, enfatiza o artista, que, ainda, cita Villa-Lobos: “Choro, a verdadeira encarnação da alma brasileira”.

A moradora do bairro de Bombas Maria Conceição Nóbili, viu a divulgação na página da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas no facebook e mesmo tendo compromissos muito cedo no dia seguinte, não quis perder a ocasião e foi conferir. “Sou uma apreciadora de Choro, não podia perder a oportunidade de prestigiar a música brasileira. Não conhecia o artista, não sabia que Bombinhas tem um músico dessa categoria que toca Choro. Estou encantada.”, ressalta Maria.


O Cultura na Rua é realizado pela Fundação de Cultura durante os meses de janeiro e fevereiro, às quintas-feiras nos bairros de Bombas, Centro e Canto Grande, de forma itinerante. E na próxima semana realiza o último espetáculo dessa temporada com a apresentação do grupo Sarau Afro-açoriano, às 21 horas, no bairro Canto Grande, ao lado da Igreja São Sebastião. 


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018


Foto Marcinha Ferreira

Cerca de 600 pessoas participam do Baile Infantil de Carnaval em Bombinhas.

Foto Marcinha Ferreira
No domingo, 11 de fevereiro, a Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas realizou mais um Baile Infantil de Carnaval, pelo quarto ano consecutivo organizado pela instituição e realizado na Casa de Cultura Piana do Crivo. Em 2018 a participação superou as expectativas e chegou a um público de, aproximadamente, 600 pessoas, entre papais e crianças, inclusive muitos bebês, que se divertiram pela tarde afora, até as 20 horas. Nem mesmo a pancada de chuva que ocorreu por volta das 17 horas, foi capaz de desanimar a turminha que dançou, brincou, riu a valer, quem quis pôde pintar o rostinho e aproveitar a neve em pleno verão tropical bombinense. A dupla de palhaços Caju e Tartaruga, da Troupe Tartacircus, foram os responsáveis pela neve ao levar para o baile uma máquina que propiciou mais esse atrativo para a criançada, e, também, conduziram a recreação com direito a muitas brincadeiras e até um desfile de fantasias.

Foto Luiz Felipe de Melo
As “arteiras” Anna Lehm, Carine Laranjeira e Rosângela Boeno criaram verdadeiras obras de artes com as pinturas faciais, o que deixou a meninada ouriçada, este ano foram mais de 120 crianças que tiveram seus rostinhos pintados. Os campões foram as unicórnios e os super-heróis, mas, também teve muitas fadas, princesas, magos, personagens do Walt Disney e até a morte com foice e tudo andou pelo baile.

A foliã Maria Zulma de Melo Catarina e a netinha de quatro anos, estavam empolgadas, a pequena fantasiada de princesa ostentava uma bela borboleta azul pintada no rostinho. Ela comenta que a brincadeira de Momo este ano estava tão bom, quanto no ano anterior: “Eu acho que essa festa que a Cultura promove deve continuar sempre, porque as crianças gostam muito, e o que importa é vê-las felizes”, destaca Maria Zulma. Já Sandra Mara Novelleto, mãe da pequena Dani de três anos que há quatro brinca no Baile Infantil, já confirmou presença no ano que vem. “Está cada ano melhor, a cada ano que a gente vem se diverte mais e fica mais tempo na festa. E as crianças adoram e isso é o mais importante. Ano que vem estaremos aqui de novo”.



tarde foi comandada pelo DJ Alexandre Medeiros e os integrantes do Grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi encabeçaram a cantina, que tem sua renda em prol da manutenção do folguedo, que este ano completa quatro anos de manutenção da tradição.

Foto Marcinha Ferreira

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018


A Folia de Momo para os pequenos promete muita alegria, diversão e palhaçadas.


Pelo quarto ano consecutivo o Baile de Carnaval Infantil é organizado pela Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, na Casa de Cultura Piana do Crivo, que em 2018 acontece no domingo, 11 de fevereiro, das 14 às 20 horas, com direito a muita diversão. Os pequenos poderão de deliciar ao som de um DJ a tarde toda, que já garantiu um repertório pra lá de animado, e com os entusiasmados palhaços Caju e Tartaruga da Tartacircus, que prometem bagunça e sorrisos largos. Ainda, a meninada terá à disposição pintura nos rostinhos. E, ainda, o grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi oferece serviço de bar e cozinha, e venda de confetes e serpentinas.

A FMC salienta que é, expressamente, proibido o uso de espumas em spray, conhecidas como espuminhas.



O quê: Baile de Carnaval Infantil 2017

Quando: 11 de fevereiro, domingo, das 14 às 20 horas.

Onde: Casa de Cultura Piana do Crivo, rua Primavera, 28, esquina com a Av. Girassol, Morrinhos.


Entrada e classificação: Livre

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Marcinha Ferreira


Em sua 89ª edição o Festejo de Nossa Senhora dos Navegantes reuniu comunidade, festeiros, pescadores e turistas.


A Comunidade de Nossa Senhora dos Navegantes, no bairro Centro, praia de Bombinhas, celebrou na última sexta-feira, 2 de fevereiro, o 89º festejo em honra a Padroeira de Bombinhas, juntamente a 2ª Campanha da Talhas de Caná. O dia iluminado, como convém a Nossa Senhora dos Navegantes, reinou absoluto acompanhando a Estrela do Mar, desde a missa realizada pela manhã, seguiu durante o almoço no salão paroquial e foi assim pela procissão por terra e mar.

Larissa Zeferino
A celebração da Padroeira é sempre um momento muito especial, onde os devotos agradecem, louvam, pedem proteção e bênçãos, em especial os pescadores, que se prostram diante dEla no intuito de que o ano seja de fartura e de tranquilidade na labuta, ainda, pedem pelos companheiros que ganharam a eternidade no ano anterior. A missa foi presidida pelo Padre Cleber, atualmente no Mato Grosso do Sul, mas filho da vizinha Itajaí, acompanhado pelo pároco de Bombinhas, Padre Silvano Oliveira, e pelo seminarista Álvaro da Silva, também de Itajaí.

Passava das 16 horas quando os fiéis se reuniram, novamente, na nave da Capela de Nossa Senhora dos Navegantes onde iniciou a procissão por terra e mar com o andor da Padroeira nos ombros dos homens, muitos deles pescadores, e o Sagrado Coração nos ombros das mulheres.

Marcinha Ferreira
O cortejo seguiu pela Avenida Vereador Manoel José dos Santos, com o apoio da Polícia Militar de Bombinhas, até o trapiche na rua Sardinha, onde a Stella Maris, a comitiva litúrgica e os fiéis embarcaram no “Manuela Pinheiro”, um barco de arrastão de camarão, conduzido pelo Mestre Fabinho da Mata, auxiliado por Beijote da Silva. O Manuela Pinheiro já conduziu a Santa outras vezes e tem esse nome em homenagem a filha de Sandro Pinheiro, que apesar de ter apenas 11 anos, é festeira há, pelo menos, seis, e fala com a propriedade de gente grande: “me sinto feliz por ver Nossa Senhora dos Navegantes em uma embarcação de minha família, tão pertinho. Também, me sinto orgulhosa e protegida”, destaca a prodígio Manu. E novamente, como no ano anterior, a embarcação, ao som de orações a cânticos, foi até a praia da Sepultura, e depois seguiu seu rumo pelas praias de Bombinhas e Bombas, para que a safra de tainhas de 2018 seja abençoada.

Este ano participaram da procissão sete embarcações. Ao retornar do mar a procissão seguiu até a igreja pela avenida principal, já que, a maré alta impossibilitou a volta pela praia, como é o costume.

A coordenadora de Liturgia, Greice dos Santos Pinheiro, explica que o festejo faz com que a comunidade se unifique ainda mais, e a comunidade estava em preparação desde de dezembro para que tudo saísse perfeito.“Não é o trabalho de um que faz acontecer, mas a doação pessoal individual, somada aos demais, que conseguimos fazer cada ano mais bonito. Dessa forma, a devoção de cada um, quer seja liderança, membro do Conselho Pastoral da Comunidade – CPC, festeiro, padrinho, colabora em algo, pois é preciso ter mãos na cozinha, na churrasqueira, na decoração, na liturgia, nos preparativos, na música, são muitos fazeres, e essa dedicação a nossa Padroeira nos une mais a cada ano”, conclui Greice.


Encerrou o dia em honra a protetora dos pescadores, uma domingueira no salão paroquial, que seguiu noite adentro, até a meia-noite.

Larissa Zeferino

terça-feira, 30 de janeiro de 2018



FMC oferece 969 vagas em 18 oficinas diferenciadas à comunidade.


A Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas comunica aos alunos e novos interessados em ingressar, que o edital para o Projeto Oficinas Culturais 2018 encontra-se aberto, disponibilizando as seguintes aulas: Artes, Artes com ênfase em teatro, Ballet, Bateria, Dança Juvenil/Adulto (estilo livre), Hip Hop, Musicalização Infantil, Música Materna, Percussão Juvenil/Adulto, Técnica Vocal Infantojuvenil e Adulto, Canto Coral Infantojuvenil, Canto Coral Adulto, Libras para Coral, Libras para Adultos, Violão, Guitarra, Teclado e Violino, totalizando 18 oficinas diferenciadas em 960 vagas.

As inscrições são realizadas presencialmente, se o aluno for menor de idade pelos pais ou responsável, na Casa de Cultura Piana do Crivo, Morrinhos, das 8h30 às 17h30, e na sede administrativa da FMC, das 13h30 às 17h30, até o dia 28 de fevereiro. Documentos necessários: RG ou certidão de nascimento, documento de identificação do responsável (quando o aluno for menor de 18 anos) e comprovante de residência atualizado (água, luz, fatura de cartão de crédito, contrato de aluguel, declaração do proprietário do imóvel, sendo estes reconhecidos em cartório). Os alunos que já possuem cadastro devem atualizar os dados. Os interessados podem se inscrever em até três atividades diferentes, no caso de instrumentos o limite é duas oficinas.

O edital com todas as informações encontra-se no site institucional (www.bombinhas.sc.gov.br), na aba Transparência, no ícone Editais: goo.gl/tbUqAg
As vagas são preenchidas por ordem de chegada, não são efetuadas reservas e as matrículas somente são realizadas mediante apresentação de toda a documentação solicitada. As aulas iniciam no dia 5 de março.


O quê: Inscrições para o Projeto Oficinas Culturais 2018
Quando: De 1º a 28 de fevereiro
Onde: Casa de Cultura Piana do Crivo, rua Primavera, 28, Morrinhos, das 8h30 às 17h30.
Sede administrativa da FMC, rua Parati, 319, Centro, das 13h30 às 17h30.


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Fábio Prates

A comédia invade as ruas de Bombinhas.


Neste sábado, 27 de janeiro, o projeto Teatro Bom Demais da Cia Sandra Baron, traz o divertido espetáculo “Palhaça Vermelha no dia de pé esquerdo”, que mostra as situações tragicômicas do dia a dia da mulher, e encanta a plateia com reviravoltas e situações surreais e criativas, bem próprios do universo da palhaça. Uma aventura inusitada com uma deliciosa surpresa no final.

Fábio Prates
A novidade fica por conta da estreia na rua, que sábado acontece ao lado da Capela São Sebastião, no bairro Canto Grande, às 21 horas. Com atuação, autoria e direção de Sandra Baron, e orientação cênica de Michelle Silveira da Silva, a peça tem duração de 50 minutos e classificação de 12 anos. Em caso de chuva a apresentação será cancelada.

O projeto Teatro Bom Demais é realizado com apoio da Fundação Municipal de Cultura, Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico e inciativa privada.

Programação
Sempre aos sábados às 21 horas
27/jan – “Palhaça Vermelha no Dia do Pé Esquerdo” - ao lado da Capela São Sebastião, Canto Grande
03/fev – “Ana Cigana” - Feirinha de Artesanato, Bombas
10/fev – “Contos da Ilha da Magia” - Centro de Atendimento ao Turista, Bombas
17/fev - “Ana Cigana” - Feira de Artes e Artesanato, Centro
24/fev – “Teatro de Lambe-lambe” - ao lado da Capela São Sebastião, Canto Grande
03/mar – “Palhaça Vermelha no Dia do Pé Esquerdo” - Centro de Atendimento ao Turista , Bombas
Informações: www.ciasandrabaron/index.php/teatrobomdemais
facebook.com/ciasandrabaron e whatsapp 47 98804 6926


Marcinha Ferreira

Contagem regressiva para a comunidade bombinense receber seis projetos artísticos patrocinados com o Fundo de Cultura 2017.


Na tarde desta terça-feira, 23 de janeiro, os contemplados do Fundo Municipal de Cultura de 2017 foram recebidos no gabinete da prefeita Ana Paula da Silva, juntamente ao vice-prefeito Paulo Henrique Dalago Müller e a presidente da Fundação Municipal de Cultura Nívea Maria da Silva Bücker, para assinatura dos Termos de repasse do Fundo Municipal de Cultura de 2017. Os projetos agraciados são: “1º Festirua – Festival de Teatro e Títeres de Rua” de Sandra Regina Baron, “Bombinhas – Cadernos de Histórias” de Rosane Luchtenberg, “Os sons na Praça – A comunidade de Bombinhas e a música autoral no espaço público” de Cristina Puccini da Silva, “Chorinho Brasileiro para alunos da rede municipal de ensino” de Alfredo Coelho Júnior, “Laços e laçadas – Artesanato e afeto na EBM Dilma Mafra” de Vera Lúcia da Silva, e “Bombinhas na minha lembrança – quero ver meu boi brincar” do Instituto BoiMamão.


Num total de 100 mil reais o Fundo Municipal de Cultura de 2017 distribuiu, através de edital de seleção, uma cota de 30 mil reais, uma de 20 mil, e quatro de 10 mil reais. 

Marcinha Ferreira
Alfredo Coelho Júnior foi contemplado na cota de 10 mil reais e seu projeto pretende alargar o conhecimento, e quem sabe despertar novos adeptos, para o estilo musical chorinho. “Minha expectativa é trazer o choro música instrumental brasileira para as crianças, como Villa Lobos, trazer o som das árvores, o som do mar, o som dos pássaros, sem palavras, só sentimento.”, ressalta o músico. Já Verinha, como é conhecida a proponente Vera Lúcia da Silva, quer levar as senhoras arteiras, esposas de pescadores, e seus saberes para interagir com as crianças da escola Dona Dilma Mafra, no Centro. “Eu me sinto muito realizada com esse projeto, pois pra mim é um objetivo estar próxima à comunidade bombinense. Espero que o projeto frutifique, sendo a escola um ponto de encontro entre diversas gerações, para troca de saberes importantes para nós”, ressalta Verinha.

Com a abertura do ano letivo alguns projetos iniciam seu desenvolvimento. A presidente da FMC, Nívea Maria, antecipou uma excelente notícia aos artistas, agentes e produtores culturais bombinenses, em 2018 o Fundo Municipal de Cultura terá um acréscimo de 20%.

Marcinha Ferreira

terça-feira, 23 de janeiro de 2018


Cleiton Reinert

Artistas bombinenses se apresentam em Balneário Piçarras.

No domingo, 21 de janeiro, o Grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi, da Fundação Municipal de Cultura, e a contadora de histórias e bailarina Sofia Lessa, aluna do Projeto Oficinas Culturais, estiveram em Balneário Piçarras em apresentação no Sesc Cultura Verão. O acontecimento é realizado numa arena montada na praia Central, bem em frente ao molhe, e é organizado em parceria pelas duas instituições.

Marcinha Ferreira
E a alegria reinou absoluta em ambas exibições. Onde o povo piçarrense e seus visitantes puderam apreciar a manifestação de Boi de Mamão, tão presente em todo o litoral catarinense, todavia, o jeito bombinense de ser e fazer o folguedo. Um diferencial do grupo é o fato de ser o único que tem uma mulher versadora de improviso. O grupo agrega 30 integrantes entre crianças, adolescentes, comunidade tradicional, músicos profissionais e pesquisadores da cultura popular, e busca fazer a brincadeira o mais próximo possível do tradicional bombinense.

Marcinha Ferreira
E com a pequena notável Sofia Lessa o encantamento não foi diferente, mesmo com a tenra idade de 11 anos, Sofi já acumula um currículo de inúmeras apresentações pelo estado catarinense e inclusive uma participação em festival de dança europeu. Com a Verdadeira história da Rainha de Copas leva a criançada, e os grandinhos, ao mundo dos contos de fadas, com uma pitadinha da realidade cotidiana. Ao final convoca o público a dançar com ela a coreografia “Red Queen”, um momento muito divertido.

A coordenadora do Grupo Eira meu Boi, Marcinha Ferreira, destaca a importância das apresentações fora do território bombinense. “É muito bom este intercâmbio cultural com outras cidades, públicos diferenciados, porque trazem novas experiências e com isso fortalecemos nosso grupo. Esta apresentação de Piçarras, por exemplo, foi a primeira vez que fizemos a brincadeira na praia”, enfatiza Marcinha.

O Grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi já tem um compromisso na península agendado, se apresenta nesta semana no Cultura na Rua, na Feirinha de Artesanato do Centro, rua Parati, quadra da praia, às 21 horas, dia 25 de janeiro, quinta-feira.

Marcinha Ferreira



sexta-feira, 19 de janeiro de 2018



Grupo Compasso gaúcho realiza apresentação de sucesso, recheada de encantamento, no Cultura na Rua.


Na noite desta quinta-feira, 18 de janeiro, o Cultura na Rua trouxe uma atração diferenciada na Feirinha de Artesanato de Bombas, o grupo de dança gauchesca “Compasso Gaúcho”, de Balneário Camboriú, que apresentou quatro ritmos do bailado da tradição gaúcha e algumas canções ao vivo. O grupo formado por 40 integrantes, proporcionou um deleite aos olhos e provou que a tradição é repassada de geração a geração, pois, um dos integrantes da tocata é o pequeno Bentinho da Conceição Neto, tocador de gaita, de apenas 10 anos.

C
Bentinho. Foto Marcinha Ferreira.
om a trégua da chuva, a noite tranquila, levou a arena improvisada muitos visitantes e também moradores que assistiram a tudo encantados. O grupo Compasso Gaúcho foi criado em
2004, idealizado pelo patrão Flávio Rocha Henckemaier e acumula uma larga experiência tanto em apresentações, quanto em cursos de dança.

Um dos integrantes da tocata, o violonista Douglas Rodrigo Marchesan Dal Medico, resume o sentimento do grupo em participar de mais uma apresentação em Bombinhas: “é uma sensação única e muito gratificante, pelo fato da cultura local dar o espaço e valorizar as tradições culturais, e valores culturais, que são muito presentes em nossa região”, o grupo se apresentou em julho do ano passado no Balaio Cultural.

Mas tem bombinense da gema no grupo também, Daniel Bardini e a esposa Fernanda, ele de tronco familiar tradicional do bairro Centro, formam um dos 10 pares que realizaram a apresentação bombinense. “Comecei na dança gauchesca por causa da esposa, foi ela que me puxou, comecei acompanhando e peguei o gosto. E estamos representando os gaúchos que frequentam nossas praias”, comenta Daniel.

O Cultura na Rua é realizado pela Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas e esta edição teve a parceria da Associação de Artesãos Costa Esmeralda. A programação acontece todas as quintas-feiras, às 21 horas, de forma itinerante nos bairros de Bombas, Canto Grande e Centro., o próximo será no dia 25 de janeiro na Feirinha de Artesanato do Centro, rua Parati, quadra da praia.







segunda-feira, 15 de janeiro de 2018



A beleza e a leveza dos bailados da tradição gauchesca se apresentam no Cultura na Rua desta semana.


Na próxima quinta-feira, 18 de janeiro, o Cultura na Rua, traz ao público bombinense a apresentação do Grupo de Dança Gauchesca “Compasso Gaúcho”, de Balneário Camboriú. O grupo foi idealizado pelo patrão Flávio Rocha Henckemaier, já esteve em Bombinhas em julho de 2017 em uma apresentação no Balaio Cultural, e tem um histórico de existência de 14 anos, nos quais leva a paixão pelas tradições do Rio Grande do Sul através da música, dança e demais manifestações culturais em várias exibições artísticas em todo o litoral catarinense.
Ainda, o grupo, ministra cursos de dança no decorrer do ano nas cidades de Balneário Camboriú e Porto Belo.
A apresentação em Bombinhas acontece às 21 horas, na Feirinha de Artesanato, Av. Falcão, quadra da praia, esquina com a Av. Leopoldo Zarling, Bombas. Tem a entrada e a classificação livres.

O quê: Cultura na Rua com o grupo de dança gauchesca “Compasso Gaúcho”
Quando: 18 de janeiro, quinta-feira, às 21 horas
Onde: Feirinha de Artesanato, Av. Falcão, quadra da praia, esquina com a Av. Leopoldo Zarling, Bombas
Entrada e classificação: Livres

Realização: Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018



Devido ao mau tempo o Cultura na Rua de hoje, 11 de janeiro, foi cancelado. Agradecemos a compreensão e colaboração na divulgação deste comunicado. Obrigada.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018


Cultura na Rua inicia apresentações de 2018 com passeio pelo mundo encantado dos contos de fadas, dança e diversão.
Com graça, leveza e muitas risadas o Cultura na Rua desta temporada de verão fez sua primeira apresentação na noite de ontem, quinta-feira, 4 de janeiro, na Feirinha de Artesanato do Centro. A bailarina e contadora de histórias, Sofia Lessa, levou para a rua “A verdadeira história da Rainha de Copas”, uma intervenção que alia contação de histórias e dança, e o que não faltou foi diversão. Além de contar sua história e dançar a coreografia “Red Queen”, Sofi como é conhecida a artista de apenas 11 anos, ao final convocou o público para dançar: crianças, mulheres e homens, e desta forma, as gargalhadas ganharam a noite.


A programação do Cultura na Rua desta temporada, acontece todas as quintas-feiras, às 21 horas, com uma atração artística diferente. As apresentações serão realizadas intercaladamente nos bairros de Bombas, Canto Grande e Centro, gratuitamente. Na próxima quinta-feira, 11 de janeiro, é a vez do bairro de Bombas receber o projeto da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, na Feirinha de Artesanato, Av. Falcão, quadra da praia, esquina com a Av. Leopoldo Zarling, às 21 horas. E quem empresta seu brilho e talento ao projeto é o grupo de dança gauchesca “Compasso Gaúcho” de Balneário Camboriú.