terça-feira, 9 de junho de 2015



Mais uma aula diferenciada na rede municipal de ensino de Bombinhas, com direito a mãos cheias de argila e muita alegria.

Em continuidade ao planejamento para realização das atividades e trabalhos para o 22º Açor, nesta segunda-feira, 8 de junho, a Escola Básica Municipal Dona Dilma Mafra proporcionou aos alunos das turmas do 1º, 2º e 5º anos, do período matutino, uma aula de cerâmica ministrada por Fernanda Nadir da Silva.

A cerâmica é confeccionada para duas finalidades: figurativa e utilitária. A utilitária pode ser produzida com torno, um artefato com roda tocado pelos pés que mescla as habilidades de movimentar a roda e as mãos para moldar a peça. São considerados utilitários peças de uso doméstico como boiões (espécie de jarros), bacias, alguidás, panelas, bules, entre outros.

Já as figurativas são confeccionadas a mão e, normalmente, para decoração, é justamente esta segunda opção proporcionada aos alunos com idade entre 6 e 10 anos, que tiveram a oportunidade de fazer, com suas próprias mãos, embarcações de pesca em suas mais diversas apresentações: de um pau só, caíco, indígena, borda lisa, de acordo com a vontade de cada um.

Fernanda é coordenadora do projeto Casa Escola da Associação Zé Amândio, da qual é fundadora, e realiza esta atividade com os alunos da instituição e viu na ação concretizada uma forma de contrapartida. “Essa intervenção trouxe a nossa associação para dentro da escola, é a comunidade do bairro José Amândio compartilhando seus saberes e desta forma, amplia horizontes de ambos lados”, ressalta Fernanda.

As peças confeccionadas precisam secar naturalmente durante 15 dias, após este período serão queimadas no forno do Museu Comunitário Engenho do Sertão e o último passo será a pintura, onde cada aluno ornamentará a sua obra de arte. No dia 18 de junho será a vez das turmas do turno vespertino receber a oficina.

As turmas dos 1º, 2º e 5º anos tem a regência das professoras Cristina Melo, Marilene Jucélia da Silva e Maria Aparecida Leck, que tiveram o acompanhamento das monitoras Eliane Zulma de Melo e Darize Lopes Bello, e ainda, contou com a colaboração da prestadora de serviço voluntário Aline Meenken.