sábado, 25 de julho de 2015


O ator JB Costa acompanhado pelo harpista Osmar Quiñonez.

Mesmo com chuva e muito frio o Festival Literário de Inverno de Bombinhas aqueceu a comunidade em sua primeira edição.

Na manhã desta sexta-feira, dia 24 de julho, foi aberta a 1ª edição do Festival Literário de Inverno de Bombinhas. Mesmo com a manhã chuvosa e fria, a programação com objetivo de fomentar, valorizar e difundir o prazer pela leitura, iniciou sua jornada de 48 horas de pura cultura em suas mais diversificadas vertentes.

Prefeita Paulinha na solenidade de abertura. 

Realizado pela Prefeitura de Bombinhas, através da Fundação Municipal de Cultura e Secretaria de Educação, e correalização da Anjos da Noite Teatro e Inventos Produções, a manhã foi calorosa no espaço ao lado da Praça 15 de Março, em Bombas. A solenidade de abertura contou com a prefeita Ana Paula da Silva, a Paulinha, que enfatizou a realização de mais este sonho para o cidadão bombinense, agradeceu a organização, e reafirmou sua certeza que o Festival Literário se tornará, num futuro próximo, uma grande feira como acontece em outras cidades brasileiras. “Tenho certeza da continuidade do nosso Festival, porque Bombinhas é uma cidade poética, uma cidade que inspira a literatura”, comenta a prefeita.


O secretário de Educação Omar Santos, citou a banda Titãs ao dizer que: “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”, agradeceu o envolvimento de sua equipe nas pessoas da professora Maria Inês do Amaral, coordenadora do projeto literário no ensino municipal, e a Florisbela, personagem da professora e contadora de histórias Rô Boeno, que coordena o projeto Biblioteca Viva e, também, integra a programação do Festival. “Não existe ser humano completo sem cultura. Quando se tem cultura, tem mais saúde, tem mais educação, a pessoa é mais feliz”, ressalta o secretário.


A presidente da Fundação de Cultura, Nívea Maria da Silva Bücker, também rsalientou o trabalho de sua equipe, e a parceria com a secretaria de educação na concretização de mais esta conquista para o município. Frisou que a estrutura é singela, mas muito significativa, pois gestão e comunidade têm sonhos grandes. “Ao nos unificarmos para realizar esta feira, comprovamos que juntos chegamos até a alma da nossa população. A estrutura é limitada mas, extremamente, importante para fomentar o livro e a leitura em nossa cidade”, destaca Nívea.

A primeira apresentação foi feita pela Sofia Lessa, de oito anos, que declamou a poesia “Bombinhas”, de autoria de Márcia Sena. Em seguida foi um desfile de talentos com interpretações variadas. O destaque da manhã ficou por conta do ator especializado em declamar os poemas de Cruz e Sousa, JB Costa, que se intitula discípulo do poeta simbolista, e arrancou lágrimas do público ao interpretar “Vida Obscura”, “Acrobata da dor” e “O assinalado”, em companhia do arpista Osmar Quiñonez.

Sofia Lessa declamando o poema Bombinhas.

Um dos convidados da programação, o escritor Zé Luiz de Oliveira, que no decorrer da programação realiza o lançamento de dois livros e uma roda de conversa sobre a Academia de Letras de sua cidade, Sertãozinho em São Paulo, objetivando o despertar para a formação da Academia Bombinense, sintetizou o acontecimento: “Vocês estão no caminho certo porque começaram unificados: cultura e educação”, ainda, destacou que ao criar o hábito da leitura na criança, automaticamente a família toda é alcançada. “A criança é o elo com a família, uma vez conquistada todos vêm juntos. Exemplo é a menininha que declamou o poema, este é o caminho”, enfatiza o poeta Zé Luiz.

Espetáculo de Florianópolis, Causos de Frankolino.