sexta-feira, 29 de abril de 2016


Mais uma noite mágica no Pirão Cultural, com debate sobre memória, patrimônio e identidade, regada a gastronomia típica e música.

Em noite de muito frio, promessa de um inverno rigoroso, o segundo Pirão Cultural aconteceu no Alquimista Burger, no bairro de Morrinhos, nesta quinta-feira, 28 de abril. O local, um jardim aberto bem no meio do bairro, reuniu um grupo plural interessado no debate acerca do tema Identidade Cultural. A palestrante da noite, Cristiane de Jesus, apresentou um apanhado sobre patrimônio imaterial e material, conceitos e manutenção. Destacou que a cultura precisa ser respeitada pelos que adotam a localidade para viver e valorizada pelos que nasceram no lugar. “Quando recebemos uma visita em nossa casa, ela se adapta a nós, se não tiver cama dorme no colchão no chão, enfim, é preciso adaptar-se ao local que escolhemos para viver”, salienta Cris, como é carinhosamente chamada.

Ainda, acentua, que o novo é muito importante, pois a inovação é sempre bem-vinda, mas há que ter o cuidado em copiar iniciativas. “É preciso absorver a informação e transformá-la para o que precisamos”, ainda, frisa que a manutenção deve ser mantida por lei, pois assim permanece independente da gestão.

A professora e escritora Elizete dos Santos, mestre em linguística aplicada, pela Ufsc, especialista em semiótica, sociolinguística e psicolinguística, moradora do bairro de Quatro Ilhas desde setembro do ano passado, estava encantada com o acontecimento.

Professora Elizete e sua animação, rodeada de amigos
Foi seu primeiro Pirão Cultural e por ser uma apaixonada por boi de mamão, a satisfação foi dupla. “Preservar a identidade e a cultura de um povo não é tarefa fácil nos dias atuais em que os conceitos e hábitos se misturam, não pela vivência, mas pela rapidez das informações que, por um lado, nos garantem conhecimento e atualização e, por outro, nos afastam daquilo que nos é original”, também, destaca que a manutenção dessa identidade só é possível através de pessoas que consigam visualizar a importância da história de um povo que se constrói dentro de uma comunidade: “o Pirão Cultural se traduz num desses momentos, onde memórias são evocadas e lembranças resguardadas reaparecem, trazendo o que há de genuíno em cada um”, completa Elizete.

Uma presença marcante foi de um grupo de 11 alunos da Educação de Jovens e Adultos da Escola Básica Municipal Dona Dilma Mafra, acompanhados pela professora Carla Milano, que prestigiaram esta segunda edição do Pirão Cultural, corroborando com a proposta educativa de levar à comunidade o conhecimento da diversidade da cultura, através destes encontros.

Os anfitriões Diego Santos e Cléber Coan de Souza, sorridentes, satisfeitos e entusiasmados, fizeram questão de deixar o espaço do Alquimista Burger aberto a outros eventos culturais com a intenção de ampliar a parceria. “Foi muito legal. Eu acho que tem tudo a ver com o espaço do Alquimista, bem astral. A ideia do boi de mamão, da memória, da cultura, do pirão, tudo combina com o espaço”, ressalta Diego.



Após a apresentação do Grupo de Boi de Mamão Eira meu Boi, foi servido o pirão com peixe desfiado, a famosa estopa, preparados carinhosamente pelos alquimistas Itaci, Ricardo, Lari e Aline, para deleite dos presentes, e a noite seguiu com o som de André Gomes Miranda.

O próximo Pirão Cultural acontece no dia 19 de maio, no restaurante Ancoradouro, Centro.