quinta-feira, 7 de abril de 2016


O VI Fórum Catarinense de Gestores Municipais de Cultura, em Chapecó., entre os dias 29 a 31 de março, teve a participação de, aproximadamente, 200 pessoas. O acontecimento reuniu prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, secretários municipais, dirigentes da área cultural e servidores da administração pública envolvidos com a gestão cultura, entre eles os dois representantes bombinenses, Nívea Maria da Silva Bücker, presidente da Fundação Municipal de Cultura, e o diretor Luiz Antonio Patricio, com os colegas da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí – Amfri, de Balneário Piçarras, Itajaí, Itapema, Navegantes e Penha.
A promoção é da Federação Catarinense dos Municípios – Fecam, da Associação de Municípios do Oeste de Santa Catarina – Amosc e do Conselho dos Gestores Municipais de Cultura de Santa Catarina – Congesc, com apoio da Prefeitura de Chapecó e execução da Escola de Gestão Pública Municipal – Egem. O evento proporcionou a integração das regiões catarinenses e promoveu o debate das políticas públicas do setor cultural.
A presidente da Fecam, prefeita de São Cristóvão do Sul Sisi Blind, enfatizou a importância do fomento da cultura para o Estado de Santa Catarina, já que é expressa de todas as formas, por meio de todos os sentidos, seja na gastronomia ou pelo patrimônio. “É importante que o Estado venha a aderir ao Sistema Nacional de Cultura, assim como é importante que o Ministério da Cultura olhe com atenção para os municípios, pois é lá que as coisas acontecem", ressalta a presidente.
A solenidade de abertura contou com a palestra do doutor em sociologia Antonio Albino Canelas Rubim, com o tema “Desafios da política e gestão culturais no Brasil atual”. Em seguida foi realizado o painel “Desafios da implementação das ferramentas de gestão do Sistema Nacional de Cultura”, composto pelo Governo do Estado, Ministério da Cultural – MinC e pela Fecam. Na parte da noite, ocorreu a abertura da Feira Multicultura do Oeste Catarinense e o Café Campeiro, seguida de apresentações culturais regionais.
Na quarta-feira, dia 30, os participantes puderam escolher uma entre quatro opções de oficinas: “Museus: conceitos, técnicas, práticas”, “Marco regulatório das organizações da sociedade civil – Lei 13019”, sistema integrado “Dragon Dreaming – criação colaborativa de projetos” e sobre o “Sistema Municipal de Cultura e seus elementos constitutivos”. Encerrou o Fórum a palestra sobre a “Transição de mandato: responsabilidades e compromissos do gestor de cultura”, ministrada pelo diretor geral da Fundação Cultural Ilha de São Francisco do Sul, Aldair Nascimento Carvalho.
A presidente da FMC, Nívea Maria da Silva Bücker, destaca que dos últimos Fóruns realizados foi o mais produtivo e objetivo, com abordagens muitos relevantes para os municípios. “Trouxemos uma boa bagagem para Bombinhas, sem falar da visita técnica realizada na Escola de Artes de Chapecó que nos mostrou que estamos no caminho certo quando pensamos o futuro da Arte, e Cultura como um todo, em nossa cidade”, quanto a essa visita Nívea vai além e acentua que as ideias efervesceram durante e após essa visita que corrobora com as mudanças de metodologia pedagógica a serem implementadas no Projeto Oficinas Culturais a partir deste ano.
Para finalizar o acontecimento foi realizada a plenária do Fórum, com a Carta de Chapecó, e definição da cidade-sede do VII Fórum Catarinense de Gestores Municipais de Cultura, que acontecerá no mês de abril de 2017 em Treze Tílias/SC.