segunda-feira, 23 de maio de 2016




Encontro cultural se torna um diferencial local, cercado de conhecimento, arte, gastronomia e calor humano.
Na noite fria de 19 de maio, quinta-feira, a Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas realizou a terceira edição do encontro de saberes e sabores, Pirão Cultural. Desta vez o bairro agraciado foi o Centro e o restaurante parceiro que abraçou o acontecimento foi o Ancoradouro.
O palestrante Marcos Pinheiro, pesquisador autodidata em genealogia, de Florianópolis, provocou os participantes para iniciarem uma viagem em sua genealogia e construir sua árvore. A genealogia é uma ciência auxiliar da história que estuda a origem, evolução e disseminação das famílias, indivíduos e respectivos sobrenomes ou apelidos.
Segundo o pesquisador, até 1889 é possível encontrar registros nos cartórios, antes deste ano, o destino é os arquivos da igreja católica. “Os cartórios foram fundados em 1889, e ali é possível ir bem longe em sua genealogia. Quem conseguir os registros até o bisavô, já está com 80% pronta”, ressalta Marcos Pinheiro.
Esta edição, também, contou com a participação do pesquisador bombinense Marquinhos Pinheiro que falou sobre sua experiência enquanto pesquisador, e lembrou a todos da importância da herança africana e que a cultura é que desperta a busca pela identidade. “Não é genealogia que vai nos fazer saber quem somos, a arte e a cultura é que nos define e direciona”, destaca Marquinhos Pinheiro.

Logos após a participação dos dois Pinheiros, a equipe do restaurante Ancoradouro, liderada pelo Sílvio e a Têre, serviram um verdadeiro banquete aos presentes, até mamão verde ensopado, umas das iguarias bombinenses cada vez mais raras às mesas, estava no menu.
A pesquisadora e coordenadora do Instituto BoiMamão, Rosane Luchtenberg, próxima anfitriã do Pirão Cultural, destaca a riqueza das palestras do acontecimento. “A participação de palestrantes convidados de outras cidades é muito importante porque nos trazem olhares diferenciados acerca dos temas abordados, e aliar uma palestra de fora com um convidado bombinense, como hoje, enriquece pela proximidade com a nossa comunidade. Estou ansiosíssima pelo nosso Pirão”, enfatiza Rô, como é conhecida.
Já os anfitriões do Pirão Cultural de maio, Silvio Cavalli e Têre Mafra, ostentavam em suas faces a satisfação de receber o acontecimento. “Fiquei ontem até às 22 horas limpando tainha pra hoje. Eu adorei, se eu puder faço de novo, podem contar comigo”, comenta Silvio.
Ainda, Marquinhos Pinheiro, acompanhado por Aline Vieira e William, brindaram os presentes com uma canção do Projeto Farpas de Palmeira que os Cantadores de Engenho estreiam no segundo semestre.
A edição do Pirão Cultural de junho acontece no dia 30, no Museu Comunitário Engenho do Sertão, às 19 horas.