terça-feira, 10 de maio de 2016



Fé, emoção, tradição e esperança na solenidade de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha em Bombinhas.
O último domingo amanheceu ensolarado, iluminado ainda mais com as cores das canoas de um pau só perfiladas na praia de Bombas. A celebração de Abertura da Pesca Artesanal da Tainha iniciou às 10 horas, foi presidida pelo pároco local, padre Silvano de Oliveira, e reuniu, aproximadamente, 250 pessoas. O mar refletia o prateado das mantas de tainhas e não demorou para um cerco acontecer no meio da praia.
Uma embarcação serviu de altar onde o peixe, a canoa, frutos da terra, rede, café, foram depositados, levados pelas mãos de pessoas da comunidade representando não somente o pescador, mas a população bombinense como um todo.
Entre os presentes a prefeita Ana Paula da Silva, a Paulinha, e o vice-prefeito Paulo Henrique Dalago Müler, o Paulinho, que agradeceram pelo recebimento dos pedidos proferidos na celebração de 2015, entre eles o término da Avenida Leopoldo Zarling, parabenizaram a mães pela passagem de seu dia e pediram orações para prosseguirem firmes em sua nova empreitada. “Temos muito que agradecer, foram muitas graças recebidas e eu peço que continuem em oração a nós, pois, agora iniciamos uma empreitada dificílima que é o processo licitatório para a obra do saneamento básico em todo o município”, ressaltou Paulinha, o vice-prefeito Paulinho, também lembrou, que seu pedido para que se resolvesse a situação com a empresa fornecedora de água para Bombinhas, foi atendido.
Um dos momentos mais significativos da cerimônia, já quase ao final, foi à rede de pesca passada por cima da cabeça dos presentes, que além de encantar emocionou a todos.
Ao término da solenidade foi servido um café tradicional com alimentos da mesa típica bombinese, numa grande partilha com todos, preparados com muito carinho pelas mulheres da família Olímpio Darci, Rosa e Sônia, e Elma, Dete, Mailde, Rosete e Fátima. A satisfação era visível no rosto delas, Rosa disse que dá gosto preparar essa confraternização todos os anos. Sônia Olímpio destacou que este ano foi muito especial. “Dos sete anos seguidos que fazemos este café, este foi o melhor. Reunimos um grupo de mulheres que trabalhou unido e com gosto no preparo de tudo. Trabalhamos três dias seguidos para dar conta de fazer tudo”, entre as iguarias preparadas havia bolo de folha e aipim, farinha de amendoim, rosca de massa, canjica, entre outros.
A filha, neta e esposa de pescador, Natalina Olga da Silva, mãe de três filhos, ao lado da linda mesa preparada para o café falou da importância desta celebração. “Participo todos os anos. Este ano coincidiu com o dia das mães e foi muito significativo estar aqui, receber as bênçãos juntamente aos pescadores”.
Outro destaque da solenidade é o rancho de pesca, praticamente transformado num ponto de memória, ornamentado como as casas de antigamente com panos, artefatos e utensílios dignos de colecionadores. O Mestre da Cultura Tradicional Zequinha Olímpio, na categoria pesca artesanal e dono do rancho, todo sorridente falou com a propriedade de anfitrião. “Estou muito satisfeito, deu mais gente que o ano passado. Mas senti falta de muitos companheiros de pesca. Ano que vem faremos no primeiro domingo de maio, como deve ser”, o mestre se refere aos pescadores que não se fizeram presente por quê as canoas estão nos portos, pois a temporada iniciou com muitos cercos.
A Pesca Artesanal da Tainha começou oficialmente no dia 1º de maio e vai até o dia 31 de julho, conforme Portaria do Ministério da Pesca e Aquicultura e Ministério do Meio Ambiente Nº 04, de 14 de maio de 2015.