segunda-feira, 9 de maio de 2016


O primeiro encontro do ano proporciona ludicidade, emoção e manutenção da tradição.
A névoa acinzentada era visível ao longe e seu cheiro se misturava ao do verde e ao café sendo torrado no entorno. No Museu Comunitário Engenho do Sertão o grupo se reuniu pela primeira vez neste ano, e entre saudosismo, prazer e risos a tarde fluiu leve, como deve ser.

A Tarde do Beijú é um encontro realizado pela Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, em parceria com o Instituto BoiMamão, acontece na primeira quinta-feira dos meses de abril a  novembro e propicia a reunião de pessoas interessadas nos fazeres e saberes acerca do prato típico beijú. E pela riqueza dos participantes possibilita verdadeiras aulas livres, sem classificação e  gratuita.

Nesta quinta-feira o grupo em torno da fornalha recebeu a bibliotecária contadora de histórias Patrícia Vilma Pinheiro da Silva, que arrancou risos com uma adaptação do conto “Uma questão de interpretação”, presente no livro ”O homem que contava histórias” de Rosane Pamplona e Sônia Magalhães.

Ainda, recebeu o jovem Pietro Della Rocca, que conseguiu emocionar, levando alguns até a secar, discretamente, uma insistente lágrima no canto dos olhos, ao declamar o poema “Ternura” do inesquecível Vinícius de Moraes. Pietro é aluno da EBM Edith Willeck e cursa o oitavo ano, e seu olhar disse muito mais que o timbre tímido de sua voz. “Me deu um friozinho na barriga, gostei muito de declamar”, com certeza essa vivência marca tanto o talentoso Pietro, quanto os presentes que se permitiram a ludicidade desta tarde.

A presidente da FMC, Nívea Maria da Silva Búcker, destaca a importância das ações realizadas entre os meses de abril e novembro, pediu para que as pessoas não digam que Bombinhas não propicia atrativos durante este período, pois é justamente o contrário, o município ferve e muito com diversas atividades. Algumas dessas ações são realizadas pela FMC e outras apoiadas pela instituição. “Precisamos entender e disseminar que temos uma produção cultural intensa em nossa cidade. Têm muita gente trabalhando a cultura e realizando atividades como feiras, oficinas, palestras, teatro, lançamentos de livros, fóruns e a maioria gratuita ou com valor acessível. Então Bombinhas tem muito o que fazer no inverno”, a fala de Nívea é uma resposta às pessoas que desconhecendo a efervescência cultural local, têm a mania de dizer que nada se faz no inverno em Bombinhas.


A próxima Tarde do Beijú acontece no dia acontece no dia 2 de junho e o Instituto BoiMamão e a FMC aguardam a todos de portas e coração abertos.