quarta-feira, 8 de junho de 2016



O domingo amanheceu nublado e até uma garoa fina tratou de dar as boas vindas ao dia, ainda assim, na fé e na coragem que os levaram a conceber o acontecimento, o Grupo de Artesãos e Artistas de Bombinhas – Gaab, e a Fundação Municipal de Cultura rumaram a Rua Parati, Centro, para o 1º Balaio Cultural – Feira de Artes e Artesanato de Bombinhas.

Vagarosamente a rua ganhou cor, cheiro, sabor e o vai e vem da comunidade tomou corpo, cerca de 1000 pessoas passaram pela feira das 10 às 18 horas. Com o frio intenso não faltou incentivo para o consumo das delícias gastronômicas, famílias inteiras passaram a tarde na Rua Parati, rapidinho o calor humano reinou no espaço da feirinha e os olhares ganharam as barracas fixas e as montadas, especialmente, para o acontecimento.

Os organizadores ostentavam sorrisos nas faces, pois, mesmo em função de vendas tímidas quantitativamente, os expositores viram o valor agregado que a longo prazo virá, além de ser mais uma vitrine para a produção local, um incentivo ao turismo cultural e a visitação e consumo da comunidade que carece de ter o acesso a essa produção.

A presidente da Fundação de Cultura, Nívea Maria da Silva Bücker, ressaltou essa necessidade de vitrine aos produtores e o entendimento dos artistas e artesãos quanto ao crescimento das vendas. “Estou muito feliz com o dia de hoje, e os artesãos e artistas também demonstram sua alegria de estar aqui, entendem que as vendas aconteceram conforme a comunidade descobre seu produto, e o fato de trocar ideias, conhecer novos artistas e artesãos, vivenciar um dia colorido, de festa em plena baixa temporada é estimulante para todos”, destaca Nívea.

A presidente do grupo de Artesãos e Artista de Bombinhas, a artista plástica Miriam Vaccarelli, enfatizou que de fato havia uma expectativa de movimento por todos, mas não imaginavam tanto assim e frisou que todos os associados abraçaram e participaram do projeto. “Quando você compra um trabalho artesanal, artístico, em cada um, em cada barraquinha que você vai tem um pedacinho da alma do artista, do artesão ali. Não é um produto industrial, não é uma fábrica que o fez. É a alma e o talento de cada artista e artesão que você está levando para casa”, comenta Miriam.

O visitante ilustre, Carlos Eduardo Martins, conhecido por todos como Caê, ex-presidente da Fundação de Cultura e Turismo de São José e organizador por anos da famosa Feira da Freguesia, parabenizou a inciativa bombinense e disse acreditar ser o início de um grande projeto que movimentará a cidade. “Atitudes como esta ajudam a fortalecer as políticas públicas e o fomento do artesanato e da cultura. Mas, acima de tudo, o mais importante é o trazer a comunidade para a rua, pra conviver, para ver o mais belo que tem que é a expressão de nossa identidade”, acentua Caê.

A expositora Bruna Farina, proprietária de uma chocolateria no bairro de Bombas, estava radiante ao final do dia. “Achei tudo maravilhoso, todo o evento, a organização. Eu adorei e quero participar de todos se eu puder. Na prática eu vendi mais do que eu vendo na loja durante a semana”, aponta Bruna.

Além da produção artesanal e da riqueza da gastronomia na feira, os presentes se deliciaram com uma intervenção de Dança Circular com a professora Daniela Cristina Wall, um espetáculo de circo propiciado pela Troupe Tartacircus, patrocinado pelo Governo do Estado, através do Edital Elisabete Anderle, onde os palhaços Tartaruga e Cajú fizeram a alegria da criançada e dos grandinhos. E encerrou o dia, já com a lua alta no céu, uma roda de capoeira realizada pelos integrantes do Instituto Camugerê.

O próximo Balaio Cultural acontece no dia 24 de julho. Os artistas e artesãos interessados em participar devem contatar a Fundação de Cultura de Bombinhas, no telefone 3264-7478, e os interessados no segmento gastronômico devem falar com Maria Del Rosário Victorero no telefone 9941-6585.