quinta-feira, 19 de outubro de 2017



Entrega de certificados marca o encerramento da segunda edição do projeto Vô Sabe, Vô Ensina da FMC.

Foi realizado nos dias 16 e 17 de outubro a certificação dos participantes das oficinas de rendas de Crivo e Bilro e Gastronomia do projeto Vô Sabe, Vô Ensina, realizado pela Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas, com o apoio do Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado e Turismo, Cultura e Esporte, Fundação Catarinense de Cultura, FUNCULTURAL e Edital Elisabete Anderle 2014.

Foram cerca de 40 inscritos, e chegaram ao momento da certificação 27 alunos que trabalham com as mais diversas atividades, e abraçou representantes desde artes, restaurantes, pesquisadores a curiosos e amantes da tradição. As oficinas de rendas inciaram em abril, foram prorrogadas e seguem até dia 31 de outubro, em decorrência da vontade de aprendizado das participantes, inclusive, algumas inciando uma pequena produção artística. As aulas de Gastronomia foram divididas em módulos e ministradas nos dias 13, 15 (aula extra), 21, 27 e 28 de setembro, no espaço do restaurante Recanto do Marujo, no Centro e integraram três Tardes do Beijú nos meses de maio, junho e setembro, em agosto não foi realizada em virtude da chuva.

Duas das oficineiras, as Mestras Salete Maria Pinheiro Pereira (gastronomia típica) e Helena Luíza da Silva (crivo) já são duas parceiras contumaz, foram elas as ministrantes das aulas homônimas na primeira edição do projeto, em 2013. Já, a artesã Carine Laranjeira, responsável pelas aulas de bilro, realizou no ano passado uma oficina de Costura para adolescentes voluntariamente, e foi a eleita para assumir as aulas do projeto, por ter sido discípula da Mestra Elza Rosa (bilro), falecida no dia 5 de outubro de 2015, a qual seria a ministrante desta oficina pelo projeto.

E da mesma forma como foi com a Mestra Elza, que deixou seu legado em Carine, que por sua vez, repassa o conhecimento, várias alunas se descobriram rendeiras e das oficinas brotam frutos e quem sabe, futuras instrutoras. Uma coisa é certa a renda continua forte em Bombinhas, em alguns casos sendo redescoberta, outros desperta, e a gastronomia típica a cada dia ganha mais apaixonados pelos temperos e forma de preparo das iguarias locais.

Alessandra Lacerda aproveitou a oportunidade e participou das duas oficinas de rendas tradicionais e também de culinária típica, essa última o esposo Paulo foi parceiro nas aulas. “A renda me abriu novos caminhos e essa busca da Carine pelo aprendizado e trazer pra nós é muito legal. A ideia é a continuidade, além disso, disseminar a arte e pensar até na formação de uma Associação de Rendeiras em Bombinhas. Quanto a gastronomia é um caso a parte, diferentemente das outras duas oficinas, a maioria dos participantes são nativos, e essa troca de vivências foi extraordinária”, comenta a artesã carioca Alessandra, que reside na península há seis anos e já insere a renda de crivo em peças de acessórios e decoração.

Além dessas três oficinas o projeto Vô Sabe, Vô Ensina, ainda, proporcionou atividades de Boi de Mamão realizadas pelo Grupo Eira meu Boi, que contemplaram: três intervenções em unidades escolares (CEIs Débora Selma da Silva de Santana, Arco Íris e Tempo feliz) e três na casa de Cultura Piana do Crivo, oficina de confecção de bicharedo, uma apresentação no Pirão Cultural de agosto e uma no Balaio Cultural, também, de agosto.