segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020



91ª edição da Festa de Nossa Senhora dos Navegantes reúne comunidade num domingo inteiro dedicado a Ela.



Domingo, 2 de fevereiro, aconteceu a 91ª edição da Festa de Nossa Senhora dos Navegantes em Bombinhas, na comunidade homônima no bairro Centro, que já vinha de uma semana de preparação com celebrações da IV Campanha das Talhas de Caná. O festejo contou com a presença da comunidade paroquial, pescadores e visitantes e, nesse ano integrou a comemoração. 80 casais de festeiros, entre eles o prefeito Paulo Henrique Dalago Müller e a deputada estadual Ana Paula da Silva.

Na missa o pároco local, padre Silvano Oliveira, destacou uma vez a importância da tradição, relembrou e agradeceu os fundadores da comunidade que iniciaram a festa, e convidou a frente o Mestre pescador Naro (Adrião Pinheiro) de 94 anos, única pessoa na missa atual que esteve na primeira comemoração realizada em Bombinhas em honra a padroeira, em 1929.

Padre Silvano também chamou a atenção da comunidade para o vitral que retrata Nossa Senhora dos Navegantes recém-colocado na janela frontal da igreja, entre as duas torres, e oficialmente apresentado na missa véspera do festejo, no sábado 1º de fevereiro.

Em seguida, a comunidade participou do almoço no salão de festas, rezou o terço e logo após partiu para a procissão por terra e mar, que este ano contou com 16 embarcações, muitas delas pesqueiras. Nossa Senhora dos Navegantes foi conduzida pelo barco de corvina Gabriel Pinheiro II, do pescador Valério Setembrino de Oliveira, que pela primeira levou a santa e a comitiva litúrgica. Emocionado Valério e os familiares não escondiam a gratidão pela honraria. “Poder conduzir Nossa Senhora dos Navegantes no meu barco, junto a minha família e amigos, é algo que jamais esquecerei. Somos muito devotos da nossa Padroeira, meu filho que nomeia minha embarcação, é festeiro das comemorações a Ela desde os dois aninhos, ou seja, há pelo menos 18 anos. Então, a emoção que vivenciamos juntos nesse domingo marca nossa trajetória de fé e tradição, porque com certeza o repasse aos meus netos, que um dia virão se Deus quiser, também já está garantido”, comenta o pescador.

O festejo encerrou com uma domingueira que perdurou até a uma da manhã de segunda-feira.


Fotos Ana Azevêdo e Marcinha Ferreira.