terça-feira, 5 de maio de 2020




Projeto Oficinas Culturais chega até os alunos por aulas em plataformas on-line.


As aulas do Projeto Oficinas Culturais da Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas seguem normalmente pelos meios remotos desde o dia 18 de março, quando em virtude da pandemia da Covid-19 foi decretada a medida protetiva de não disseminação do Corona vírus, e todos precisam “ficar em casa”.

Os professores do projeto, num total de nove, em 24 oficinas e mais a Banda Filarmônica de Bombinhas que prepara integrantes em 16 instrumentos diferenciados, adaptaram seus planejamentos para que as aulas sejam realizadas pela plataforma remota que for mais acessível aos seus alunos, ficando a encargo do instrutor a escolha para que as aulas possam chegar aos 761 inscritos, porque embora sejam 546 alunos matriculados alguns fazem mais de uma oficina.  

O professor de bateria e percussão, Eri Cavalcante ministra suas aulas pelo Messenger, ele comenta que “os alunos mais antigos têm se adaptado bem, e os novos aos poucos vão interagindo melhor”. Júnia Katararina Bicca é aluna de percussão há três anos, e fala da importância da continuidade do aprendizado: “está sendo muito reconfortante, antes do distanciamento social estávamos estudando dois baques novos, de perguntas e respostas, e além de continuar com os exercícios, é muito bom ver os colegas por videoconferência. O professor também nos envia vídeo-partituras e áudio-partituras enriquecendo nosso repertório”.

Nos instrumentos de cordas são dois professores: Deivid Marques e João Galhardo. No caso dos alunos do professor Deivid as aulas de violão são ministradas por meio de grupos de turmas criados no whatsapp, em que disponibiliza o material em vídeos curtos com o passo a passo para facilitar o acesso e não deixar tão cansativo o estudo em casa, PDFs, e ainda três vezes por semana aulas ao vivo pelo grupo do Facebook, que ficam gravadas e o aluno pode assistir quando quiser.

Da mesma forma João Galhardo utiliza de grupos de turmas no whatsapp, e agregou o google class room para suas aulas de violão, guitarra, ukulelê e prática de choro, além de vídeos chamadas. “Foco no material de apreciação para ampliar o universo musical deles”, comenta o professor João.  

A aulas de dança chegam aos alunos por meio de vídeos-aulas e aulas ao vivo encabeçadas pelas três professoras Jessica Delgadinho, Cintiara Ribeiro e Carolina Calcaterra. Quando se trata de adultos a administração do tempo e a disciplina é natural, mas como a maioria dos alunos são crianças e algumas muito pequenas, os pais são fundamentais, pois, elas precisam de incentivo para fazer os exercícios.

Andreia Amaral conta sua experiência sobre essa questão, é mãe da Bruna de 13 anos, que é aluna da Banda, violino e prática de choro; da Ingrid de 7 anos que estuda violino e balé; e da pequena Hellen de 5 anos que é aluna de balé. Bruna está em seu quarto ano de aulas no projeto, as duas pequenas há três anos. Ela fala que precisou aprender a usar aplicativos: “mas valeu a pena pela interação que as aulas on-line propiciam e a felicidade das meninas estarem com os amigos e professores, para minha surpresa elas estão interagindo e prestando atenção com pouca interferência minha. Pra minha família as interações online ou material didático, fornecem além de aprendizado, uma fonte emocional interativa, reforçando a certeza de que daqui a pouco estaremos todos ao vivo e a cores", Andreia ainda ressalta que “os professores fornecem vídeos- aulas para os alunos que não podem acompanhar ao vivo ou como reforço”.

Ainda ministram aulas remotas no Projeto Oficinas Culturais: Dani Rocco (cerâmica, pintura em tela e teatro), Anna Lehm (canto coral) e Maestro Carlos Caetano (Banda Filarmônica de Bombinhas e violino). 


Fotos: Acervo Caroline Calcaterra.